UAI
Publicidade

Estado de Minas PARIS

Brasileira está entre finalistas de prêmio europeu para inventores menores de 30 anos

Rafaella de Bona Gonçalves foi indicada por ter desenvolvido absorventes higiênicos biodegradáveis a partir de fibras de resíduos de banana ou bambu


24/05/2022 09:11 - atualizado 24/05/2022 10:02

 Rafaella de Bona Gonçalves de blusa preta com paisagem cheia de árvores ao fundo
Rafaella de Bona Gonçalves tem 25 anos e é formada em Design (foto: Reprodução/ Instagram )
O Instituto Europeu de Patentes (EPO) premiará pela primeira vez inovações de inventores com menos de 30 anos. Os finalistas - do Brasil, Estados Unidos, Bélgica e Reino Unido - foram anunciados nesta terça-feira (24).

Eles conhecerão no dia 21 de junho, em cerimônia virtual, o vencedor do "Young Invertors Prize", criado este ano para promover a inovação entre os jovens ao serviço dos problemas do planeta (meio ambiente, saúde, etc.), anunciou o EPO, uma instituição pública europeia com sede em Munique.



Panfleto de divulgação da participação de Rafaella de Bona Gonçalves em prêmio
(foto: Reprodução/ Instagram )
A brasileira Rafaella de Bona Gonçalves, de 25 anos, formada em Design, foi indicada por ter desenvolvido absorventes higiênicos biodegradáveis a partir de fibras de resíduos de banana ou bambu.

Partindo dos problemas das mulheres em situação de rua, a jovem pesquisadora, formada em Design de Produtos pela Universidade Federal do Paraná em 2020, tenta lutar contra a "precariedade menstrual", ou seja, as dificuldades de acesso a produtos higiênicos, instalações sanitárias e gestão de resíduos, que afetam quase 500 milhões de mulheres em todo o mundo todos os meses.

Por sua vez, a americana Erin Smith, de 22 anos, estudante de Neurociências da Universidade de Stanford (Estados Unidos), desenvolveu um aplicativo que funciona como ferramenta para a detecção precoce da doença de Parkinson e outros distúrbios neurológicos, com base no reconhecimento de expressões faciais.

Seu aplicativo "Faceprint" foi testado em larga escala na Escola de Medicina de Stanford. Prevê a doença com uma precisão de cerca de 95% de acordo com a OPE, e pode ajudar a retardar o desenvolvimento de sintomas graves (tremores e dificuldades de locomoção) graças à atenção precoce à doença que afeta cerca de 10 milhões de pessoas em todo o mundo.

Por fim, o belga Victor Dewulf, de 25 anos, e o britânico Peter Hedley, de 27, são inovadores no campo da inteligência artificial e, graças a um sistema óptico de reconhecimento de resíduos e um braço robótico de triagem, inventaram um sistema automático que permite aumentar a proporção de resíduos classificados em esteiras transportadoras em aterros sanitários, tornando a reciclagem mais rentável.

Eles fundaram sua empresa Recycleye em 2019 e arrecadaram quase um milhão de euros ao começar a trabalhar com o grupo de robótica Fanuc.

O vencedor receberá um prêmio de 20.000 euros (US$ 21.300).

Os finalistas em segundo e terceiro lugar receberão 10.000 e 5.000 euros (US$ 10.645 e US$ 5.320), respectivamente, disse a EPO.

FANUC


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade