UAI
Publicidade

Estado de Minas KIEV

Forças ucranianas recuperam os corpos de russos mortos em combate


12/05/2022 10:23

Depois de vasculhar florestas e prados a oeste de Kiev, uma unidade especial ucraniana finalmente encontra o que procurava: o cadáver de um soldado russo para preservá-lo e, eventualmente, repatriá-lo para seu país.

Há semanas, equipes formadas por civis e militares trabalham juntas para recuperar os corpos de combatentes russos em campos, florestas e prédios destruídos nos arredores da capital ucraniana.

"Se os russos não fazem o que deveriam fazer por honra, nós o faremos por respeito aos mortos", declara à AFP um soldado que atende pelo nome de guerra "Mukhomor" momentos antes de desenterrar o corpo do falecido.

"Pouco importa se é o inimigo ou não, não julgamos. São as regras do direito internacional humanitário", acrescenta.

Os arredores de Kiev foram palco de combates ferozes desde a invasão lançada em 24 de fevereiro pelo exército russo, que enfrentou forte resistência das forças ucranianas.

Mas no final de março, as tropas de Moscou se retiraram de suas posições nas proximidades da capital, onde a Ucrânia as acusam de "massacres" contra civis.

Até agora, mais de 200 corpos russos foram recuperados por esses grupos especiais, a grande maioria em torno de Kiev.

- Fita branca no braço -

Na cidade de Zavalivka, 60 km a oeste da capital, uma equipe circunda a área ao redor de uma cova rasa.

A AFP acompanha uma dessas equipes de busca como parte de uma visita organizada pelo exército ucraniano.

Os moradores garantem que o soldado russo estava ferido e pediu água antes de ser morto por seus próprios companheiros, que acabaram deixando o local. A AFP não pôde verificar essas declarações.

"Eles o deixaram perto da tenda. E então nossos garotos o enterraram", declarou à AFP Keterina Karobchuk, uma moradora de Kavalivka de 79 anos.

Seu corpo foi enterrado às pressas em uma floresta antes da chegada das forças ucranianas, que limpavam os arredores durante uma operação de desminagem.

Karobchuk garante que o corpo foi encontrado pouco depois por seu cachorro. Já em decomposição, as pernas do cadáver, congeladas, pareciam se contorcer sobre o torso.

"Cuidado, não queremos perder nada ou danificá-lo", declarou um membro da equipe de cinco pessoas, vestido com roupas de proteção, depois de encontrar a localização exata do corpo.

Depois que o túmulo é cuidadosamente limpo, a equipe inspeciona os restos mortais e amarra uma fita branca em seu braço direito para assinalar seu pertencimento às tropas russas.

- Vagões frigoríficos -

Uma vez que os corpos são colocados em sacos mortuários, são empilhados em vagões frigoríficos.

A localização dos necrotérios móveis é um segredo bem guardado em Kiev. Suas autoridades temem um ataque aéreo russo contra o que dizem ser um crescente corpo de evidências de "crimes de guerra" de Moscou.

"Eles têm um belo conto de fadas que não deixam seus soldados mortos para trás (...) bem, é realmente um conto de fadas", diz o coronel Volodimir Liamzin.

Segundo ele, Moscou não mostrou intenção de facilitar o retorno de seus mortos, apesar dos esforços das autoridades ucranianas.

"Eles serão armazenados em nossos carros frigoríficos móveis pelo tempo que for necessário", afirma Liamzin, que supervisiona essa operação.

"Se a Rússia não os repatriar, em um determinado momento, nosso governo adotará uma resolução e esses corpos serão enterrados aqui na Ucrânia", acrescenta.

"Os que pudermos identificar serão enterrados com seu próprio nome. Os que não pudermos serão enterrados como soldados desconhecidos."


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade