UAI
Publicidade

Estado de Minas SLOVYANSK

Para pescador, falta de peixe é sinal da ferocidade dos combates na Ucrânia


09/05/2022 08:58

Artur Cherepovskiy, um pescador ucraniano, sabe que foi um dia ruim na linha de frente se não conseguir pegar nenhuma carpa em um rio que corre em direção às colinas onde os russos estão escondidos.

Cherepovskiy, de 32 anos, baixa uma rede de uma ponte com vista para o rio Kazeniy Torets e espera que os estrondos à distância não afastem seu jantar.

"Eles ficam com medo quando há bombardeios. Tem que haver silêncio durante a pesca", diz, balançando a cabeça para as intermináveis batalhas travadas na frente leste da Ucrânia no terceiro mês da invasão russa.

"Antes conseguia pescar cinco ou seis do tamanho da palma da minha mãe em um dia. Agora, em tempos de guerra, às vezes nem pesco. Depende da intensidade dos bombardeios. Quando são fortes, os peixes ficam no fundo".

A ponte Cherepovskiy, em Slovyansk, está localizada perto de duas cidades simbolicamente significativas do Donbass.

A tomada de Slovyansk por insurgentes apoiados pela Rússia em 2014 desencadeou anos de combates que culminaram em uma invasão total pelas forças do presidente Vladimir Putin em 24 de fevereiro.

As tropas ucranianas conseguiram recapturar a cidade e estabeleceram um centro administrativo para o conflito na vizinha Kramatorsk.

Ambas são agora alvos de uma ofensiva do Kremlin que vem tomando partes do território ucraniano, mas não conseguiu dar o golpe de misericórdia que Putin procurava a tempo de coincidir com as celebrações anuais do Dia da Vitória - o dia em que a Rússia comemora a vitória na Segunda Guerra Mundial em grande estilo - nesta segunda-feira.

- 'Continuar vivo' -

O rio Kazeniy Torets serpenteia por fazendas e florestas até cruzar com outro rio que delimita as tropas russas e ucranianas.

Os russos estão tentando avançar para o sul através dessa rede de rios, com os olhos voltados para Slovyansk e Kramatorsk.

Os ucranianos contra-atacam transportando suas melhores unidades para garantir que os russos não estabeleçam uma frente do seu lado do rio.

Muitos soldados têm uniformes sujos das noites e dias que passaram sob bombardeios de aviões de guerra russos.

"Isso faz você repensar tudo o que considerava garantido em sua vida civil", diz um soldado enquanto observa um grupo de camaradas se distanciar para o front em chamas.

"Sua mentalidade muda quando você entra em um veículo blindado. A prioridade é permanecer vivo", acrescenta ele enquanto espera sua vez de ser chamado para defender Siversk, a última das pequenas cidades da linha de frente à beira da destruição quase total.

- 'Doente e cansado' -

Lyubov Baidykova, que trabalhava em uma fazenda coletiva em Siversk, sai de seu jardim para dar uma olhada no ataque russo à sua cidade de 10.000 pessoas, essencialmente mineiros e agricultores.

É possível ver uma nuvem de fumaça escura subindo, pelo quarto dia, de uma fábrica de processamento de grãos que pegou fogo durante uma batalha perto da estação de trem da cidade.

Sua própria casa foi bombardeada uma vez em 2014 e novamente este mês.

"Meus nervos são de aço", diz depois que o som de uma explosão faz seu cachorro latir.

"Eu nem reajo quando os jatos passam. Hoje passaram três vezes e eu não me importo. Estou farta de tudo isso".

As casas geminadas perto da residência simples de Lyubov estão em ruínas. As casas que ainda estão de pé não têm gás nem eletricidade.

E a água que escorre das torneiras não é suficiente para tomar banho ou lavar a louça.

"Minha situação econômica não me permite sair. Então vivo com os bombardeios, dia e noite", diz, dando de ombros.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade