UAI
Publicidade

Estado de Minas TEGUCIGALPA

Crise se aprofunda em Honduras com instalação de legislaturas paralelas


25/01/2022 22:11

A instalação de duas legislaturas paralelas em Honduras, cada uma liderada por um presidente do Congresso, aprofundou nesta terça-feira (25) a crise política que ofusca a posse da esquerdista Xiomara Castro como presidente e seus planos de governabilidade.

No prédio do Poder Legislativo, tomou posse o deputado Luis Redondo, que tem apoio de Castro e das fileiras leais do partido Libertad y Refundación (Libre). A sessão contou com a presença de uma escolta de cadetes das Forças Armadas, como já tinham anunciado altos comandantes militares, em sinal de reconhecimento da autoridade da presidente eleita.

Enquanto isso, em paralelo e por videoconferência, o deputado Jorge Cálix também inaugurou sua legislatura como chefe do Congresso, com vinte deputados dissidentes do Libre e a maioria dos deputados do Partido Nacional e o Partido Liberal, ambos de direita e opositores a Castro.

Mais de 70 dos 128 deputados titulares participaram da sessão virtual. No caso de Redondo, o quórum foi completado com suplentes, entre eles vários substitutos dos rebeldes.

- Contra a impunidade -

A crise eclodiu na última sexta-feira, após um grupo de dissidentes do Libre rejeitar um acordo com o Partido Salvador de Honduras (PSH), cujo apoio foi fundamental para a vitória nas eleições de novembro. O pacto incluía o apoio a Redondo, do PSH, como líder do Legislativo.

Os dissidentes elegeram Cálix, alegando que o Congresso deve ser presidido pelo Libre, o partido com mais deputados (50). Os fiéis a Castro elegeram Redondo, para respeitar o acordo e garantir a governabilidade.

"Quero agradecer aos deputados do Partido Libre, que evidentemente são muitos mais do que os deputados do PSH (...) por serem leais ao compromisso do seu partido", disse Redondo.

Castro acusa os dissidentes de se aliarem ao Partido Nacional, do presidente em fim de mandato Juan Orlando Hernández para impedir as transformações prometidas na campanha, entre elas a restituição de leis contra a impunidade, desmanteladas pela gestão atual.

Redondo se comprometeu em sua gestão a "reverter ações judiciais que o único que fizeram foi garantir impunidade e imunidade. Isso acabou".

Ele mostrou nesta terça-feira um exemplar da Gaceta Oficial (Diário Oficial), onde sua nomeação foi publicada. No entanto, o encarregado das edições disse que foi feito sem sua autorização.

"A única junta diretora que nós aceitamos é a de Luis Redondo. Aqui está o verdadeiro povo", disse Alma Boláinez, professora aposentada de 63 anos, nos arredores do Congresso, enquanto apontava para o prédio do Parlamento.

- Já legislam -

Apesar de ter sido expulso do partido Libre, Cálix renovou seu apoio a Castro e à sua agenda política de combate à corrupção e ao narcotráfico, dois dos males que aprofundam a pobreza no país.

"Tem meu apoio com franqueza, para que entre para a história como a melhor presidente que este país já teve", disse Cálix.

Nesta terça-feira, na sessão virtual, a legislatura de Cálix recebeu o relatório de fim de mandato do presidente Hernández, além do relatório do Judiciário, correspondentes a 2021. Submeteram a debate e revogaram a "Lei de Classificação de Documentos Públicos", que impedia a divulgação de informações sobre gastos públicos, sob pretexto de segurança nacional.

- Portas abertas -

Xiomara Castro, mulher do ex-presidente deposto Manuel Zelaya, já convidou Redondo a lhe colocar a faixa presidencial nesta quinta-feira, em cerimônia a ser realizada no Estádio Nacional.

Ambos os lados acusam-se mutuamente de terem cometido ilegalidades em suas respectivas nomeações, embora mantenham diálogo.

"Nós temos uma comunicação com este grupo dissidente. Todos são amigos. Sempre estamos falando com eles e procurando saídas", disse à AFP o ex-presidente Zelaya, coordenador do Libre. "Obviamente, apoiamos Luis Redondo, mas sempre estamos abertos a tentar integrar e dialogar", acrescentou.

"Eles têm as portas abertas, somos irmãos na luta. Que tenham hoje uma posição política contrária não quer dizer que vamos esquecer o que têm sido", disse.

- Tercera via -

"Acho que haverá uma negociação como resultado desse diálogo, e um dos cenários é que haja uma terceira pessoa que assuma a liderança (do Congresso)", disse Ernesto Paz, ex-chanceler do governo de Manuel Zelaya e colaborador do Libre.

Todo o processo ocorre sob o olhar atento de Washington, que fez um apelo à calma em Honduras e a realizar o debate sem violência e de forma democrática.

O deputado Redondo admitiu na segunda-feira que foi contatado pela embaixada americana em Tegucigalpa para conversar. "Os Estados Unidos têm tido uma participação estelar antes, durante e depois do processo eleitoral, o que não é novidade no nosso país", avaliou Paz.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade