UAI
Publicidade

Estado de Minas NOVA YORK

Juiz dos EUA nega pedido do príncipe Andrew para arquivar denúncia de abuso sexual


12/01/2022 14:02

Um juiz de Nova York negou nesta quarta-feira(12) o pedido do príncipe Andrew para rejeitar uma denúncia de agressão sexual que uma americana apresentou contra ele por supostamente abusar dela em 2001, quando ela tinha 17 anos.

Em sua decisão, o juiz Lewis Kaplan decidiu que a petição do príncipe para arquivar a ação civil, apresentada no verão de 2021 por Virginia Giuffre, uma das vítimas dos crimes sexuais do financista americano Jeffrey Epstein, deve ser "negada em todos os seus aspectos".

Giuffre afirmou que o príncipe Andrew a abusou sexualmente na casa de Epstein em Nova York e em sua ilha privada das Ilhas Virgens, nos Estados Unidos, assim como na casa londrina de Ghislaine Maxwell, que foi companheira sentimental do financista, e que enfrenta a prisão perpétua depois que um júri a declarou culpada recentemente de tráfico de menores com finalidades sexuais para seu amigo.

Giuffre alega que Epstein a 'emprestou' para ter relações sexuais com seus poderosos e ricos amigos, entre eles Andrew, acusações que o príncipe negou energicamente em várias ocasiões.

Ainda assim, Kaplan rejeita em seu escrito de 44 páginas que a denúncia de Giuffre seja "ininteligível", "vaga" ou "ambígua", como dizem os advogados do príncipe, já que alega "discretos incidentes de abuso sexual em circunstâncias particulares em três lugares identificáveis", assim como "a quem atribui o abuso sexual".

A defesa do príncipe argumentou que Giuffre assinou um acordo com o financista americano em 2009 para não processá-lo ou a "outros réus em potencial".

O juiz também rejeita este ponto em seu escrito, que data de terça-feira, mas foi publicado apenas hoje.

O príncipe sempre negou as acusações de Virginia Giuffre.

A amizade do segundo filho da rainha da Inglaterra, de 61 anos, com o financista Jeffrey Epstein vem causando problemas há muito tempo.

Desde as acusações de Giuffre, Andrew raramente apareceu em público, depois de ser obrigado a deixar a primeira linha da monarquia britânica ao não renunciar ou conseguir se desligar do caso Epstein.

Uma série de fotos que proam os vínculos entre Andrew, Epstein, Maxwell e Giuffre foram divulgadas no Reino Unido.

Se todos os recursos de Andrew falharem, um julgamento civil poderá ocorrer "entre setembro e dezembro do próximo ano", disse o juiz Kaplan no outono de 2021.

Jeffrey cometeu suicídio na prisão em 2019 e um júri recentemente considerou sua ex-companheira Ghislaine Maxwell culpada de tráfico de menores para fins sexuais para o financista.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade