UAI
Publicidade

Estado de Minas BRUXELAS

UE propõe suspender algumas regras de asilo em países fronteiriços com Belarus


01/12/2021 17:43 - atualizado 01/12/2021 17:43

A União Europeia (UE) propôs nesta quarta-feira (1º) que Polônia, Lituânia e Letônia tenham permissão para suspender algumas disposições da normativa sobre asilo durante seis meses, para enfrentar a onda migratória proveniente de Belarus, segundo altos funcionários do bloco, mas Varsóvia considera "contraproducente".

Ylva Johansson, comissária europeia de Assuntos Internos, disse em uma entrevista coletiva que a situação na fronteira de Belarus com esses três países "não tem precedentes". "Por isso, estamos pensando nessas medidas", acrescentou.

O plano contempla uma autorização temporária aos três países para que ampliem o período de registro para solicitações de asilo para quatro semanas, ao invés do máximo atual de 10 dias.

Também permitiria aumentar para 16 semanas o prazo para analisar uma demanda, incluída a sua apelação, período este em que os solicitantes deverão permanecer retidos em centros fronteiriços.

Ademais, prevê procedimentos "rápidos e simplificados" para os migrantes que retornarem a seus países e para aqueles cujas solicitações de proteção forem rechaçadas.

"A Comissão adotou uma solução completamente oposta à que propusemos Nós propusemos a possibilidade de suspender os processos de asilo e não de prorrogá-los", declarou o embaixador polonês na UE, Andrzej Sados, em nota transmitida à imprensa.

Para Sados, essa ampliação dos prazos provocará "uma sobrecarga" na análise dos processos de asilo nos Estados-membros da União, podendo interromper seu funcionamento.

Segundo a Comissão, essas medidas deverão ser apoiadas pelos Estados-membros, e o Parlamento Europeu será apenas "consultado" a respeito.

Elas têm como base o artigo 78.3 do Tratado de Funcionamento da União Europeia, um procedimento previsto "caso um ou mais Estados-membros se encontrem em uma situação de emergência caracterizada por um fluxo repentino de cidadãos de países terceiros".

Segundo os últimos números da Comissão, chegaram este ano à UE cerca de 8.000 imigrantes através de Belarus: 4.285 na Lituânia, 3.255 na Polônia e 426 na Letônia.

- Tensão fronteiriça -

A UE acusa Belarus de orquestrar a onda migratória, oferecendo vistos a migrantes de países como Iraque, Síria e Iêmen, e transportando-os até a fronteira com a UE, o que seria uma represália às sanções europeias contra funcionários da ex-república soviética.

A situação despertou o temor na Europa de uma crise migratória em grande escala, já que milhares de pessoas estão bloqueadas na fronteira entre Belarus e Polônia.

Johansson, no entanto, assinalou que a situação estava "desescalando" levemente devido à pressão da UE sobre os países de origem desses migrantes, para que os aceitem de volta.

A Polônia, em particular, adota uma linha mais dura contra a migração, e utiliza um polêmico dispositivo legal para decretar o estado de emergência e limitar a ação da imprensa ao longo de suas fronteiras.

Hoje mesmo, esse estado de emergência foi estendido por mais três meses, até o fim de fevereiro de 2022.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade