UAI
Publicidade

Estado de Minas BRASÍLIA

Brasil registra desmatamento recorde na Amazônia nos últimos 15 anos


18/11/2021 21:34

O desmatamento na Amazônia brasileira aumentou quase 22% entre agosto de 2020 e julho de 2021, marcando um recorde nos últimos 15 anos, segundo dados oficiais, uma tendência que o governo de Jair Bolsonaro promete reverter com ações mais "contundentes".

O desmatamento na maior floresta tropical do planeta totalizou 13.235 km2 no período 2020-2021, o maior valor desde 2005-2006 (14.286 km2), segundo registros do sistema de monitoramento Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

É o terceiro aumento anual durante o governo de Jair Bolsonaro, em um momento em que ele tenta rebater as críticas internacionais que o responsabilizam por promover este aumento com políticas que fragilizaram a fiscalização no bioma e seu discurso favorável a atividades extrativistas em áreas protegidas.

Os números representam "um desafio para nós e teremos que ser mais contundentes em relação a estes crimes. E com certeza seremos, ampliaremos a atuação" na região, admitiu o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, durante coletiva de imprensa em Brasília logo após a divulgação do documento.

Leite afirmou, no entanto, que a alta dos números "não reflete exatamente a atuação dos últimos meses".

O governo garante ter intensificado suas ações para combater o desmatamento ilegal com uma presença maior de efetivos em campo nos últimos 90 dias, concentrado nos 23 municípios com maior incidência de crimes ambientais.

O desmatamento é particularmente atribuído a atividades ilegais de mineração e pecuária.

"A essas pessoas que ainda insistem nesses crimes ambientais, o estado brasileiro vai subir com força total para a Amazônia", garantiu o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres.

Bolsonaro assumiu o poder em janeiro de 2019 com um forte discurso antiambientalista e é acusado por ONGs, por movimentos indígenas e opositores de debilitar os mecanismos de controle ambiental.

Entre agosto de 2018 e julho de 2019, a área desmatada na Amazônia foi de 10.129 km2, um aumento de 34% em relação ao período anterior, segundo dados do sistema PRODES.

No período seguinte (2019-2020), foram perdidos 10.851 km2, um aumento de 7%, apesar da mobilização de custosas operações militares na floresta para controlar as atividades ilícitas durante os períodos mais intensos de desmatamento e incêndios na Amazônia.

- Cumprir as metas da COP26 -

"O resultado é fruto de um esforço persistente, planejado e contínuo de destruição das políticas de proteção ambiental no regime de Jair Bolsonaro", comentou em um comunicado Marcio Astrini, secretário-executivo da rede Observatório do Clima, que reúne as principais ONGs e institutos ambientalistas que atuam no Brasil, incluindo Greenpeace e WWF.

O Observatório acusou o governo de ocultar os dados até depois da COP26, visto que o documento divulgado nesta quinta-feira pelo Inpe, órgão vinculado ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, é datado em "27 de outubro de 2021".

Segundo a rede, o governo já tinha em mãos o dado do Inpe antes da conferência do clima e o "escondeu deliberadamente", o que o governo nega.

"O que eu tenho de informação é que foi divulgado hoje", garantiu Leite.

Entre as metas anunciadas na última conferência da ONU sobre mudanças climáticas em Glasgow, na Escócia, o Brasil antecipou em dois anos, de 2030 a 2028, o limite para eliminar o desmatamento ilegal em seu território, que abriga 60% da floresta amazônica.

"Iremos com certeza ser mais contundentes para reverter esses números e cumprir a meta que foi anunciada durante a conferência do clima", concluiu Leite.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade