UAI
Publicidade

Estado de Minas LIMA

Vítimas de 'esterilizações forçadas' no Peru denunciam novos atrasos em julgamento


17/11/2021 18:04

Mulheres vítimas de "esterilizações forçadas" entre 1996 e 2000 no Peru, sob um programa do então presidente Alberto Fujimori, denunciaram nesta quarta-feira (17) novos obstáculos para o avanço deste emblemático processo, devido à alteração repentina do juiz responsável.

"Desde o começo somos maltratados", disse Victoria Vigo, de 59 anos, esterilizada em Piura em 1996, uma das 1.317 demandantes nesta ação judicial iniciada em 2002, que já arquivada e reaberta várias vezes.

Quando as vítimas esperavam que o juiz Rafael Martínez Vargas emitisse seu veredicto preliminar sobre levar ou não os sete réus a julgamento criminal, entre eles Fujimori, o Judiciário surpreendentemente o retirou do caso e nomeou em seu lugar o juiz Littman Ramírez Delgado.

"Só queremos que esta tortura acabe", disse a advogada María Ysabel Cedano, da ONG Demus, que deu uma entrevista coletiva para denunciar os novos atrasos junto com Victoria Vigo e a secretária executiva da Coordenadoria Nacional de Direitos Humanos, Jennie Dador.

Estima-se que cerca de 270 mil peruanas pobres, muitas delas indígenas que não falavam espanhol, foram submetidas a cirurgias de ligadura de trompas, como parte do Programa Nacional de Saúde Reprodutiva e Planejamento Familiar, implementado por Fujimori em seus últimos quatro anos no poder.

O objetivo era reduzir a taxa de natalidade para impulsionar o desenvolvimento econômico. Nessas cirurgias, morreram 18 mulheres, segundo dados oficiais.

O promotor Pablo Espinoza havia apresentado as acusações ao tribunal em março. E desde setembro, ao longo de oito audiências, o juiz Martínez vinha traçando os fundamentos da tão esperada resolução.

Agora, demandantes, advogados e ativistas temem que a mudança de juiz represente um atraso de vários meses. "Um juiz não pode resolver algo que não conhece", apontou Cedano.

Fujimori e seus colaboradores são denunciados como "autores indiretos de danos à vida e à saúde, lesões graves e violações graves dos direitos humanos".

"Eles brincaram com as vidas e a saúde reprodutiva das pessoas, sem se importarem com os danos", afirmou o promotor Espinoza em março.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade