UAI
Publicidade

Estado de Minas PARIS

Destruição de satélite russo aumenta risco de colisão da ISS


16/11/2021 16:48

A destruição de um satélite pelos russos gerou uma nuvem de detritos perto da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), com sete astronautas a bordo. Didier Schmitt, funcionário da Agência Espacial Europeia (ESA), explica à AFP como este incidente aumenta o risco de colisões no espaço.

Pergunta: Os astronautas que estão na ISS, 4 americanos, 2 russos e um alemão, estavam perto de uma catástrofe?

Resposta: "É difícil dizer em retrospectiva. Mas o que se sabe agora, de acordo com nossas fontes, é que o risco de colisão seria cinco vezes maior nas próximas semanas e até meses. Esses novos destroços circulam na mesma órbita como a Estação, ou seja, a uma altura de cerca de 400 km, a mais de 8 km por segundo.

Portanto, para evitá-los, é preciso prevê-los com muita antecedência: assim, pode-se aumentar ou diminuir um pouco a órbita da ISS. Para isso, porém, é necessário um mapeamento preciso dos objetos em questão, o que não é o caso agora, já que acaba de acontecer o incidente. Os radares americanos estão fazendo os cálculos para descobrir."

P: Enquanto isso, o que os astronautas podem fazer? Estão com medo?

"Ontem (segunda-feira), tiveram que cruzar os dedos e colocá-los em suas respectivas cápsulas. Alguns objetos passaram a menos de 1 km! Por enquanto, a ISS não deve mais passar pela mesma área dos escombros. Mas é claro que os astronautas tiveram medo!"

P: Os detritos são uma ameaça crescente? Como se proteger?

"O grande perigo dos detritos é o efeito dominó. Se houver mais detritos, há mais possibilidades de impactar satélites, ou seja, fazer outros explodirem e assim por diante. Nessa velocidade, qualquer impacto faz explodir a superfície. A Estação foi construída na década de 1990. Embora os riscos de colisão tenham aumentado desde então, a estrutura original da nave não mudou.

As cápsulas acopladas na ISS são melhor protegidas por várias camadas de alumínio, o que atenua o impacto. E como essas cápsulas são menores em relação ao tamanho da ISS (tão grande quanto um campo de futebol), o risco de colisão é menor.

Em caso de impacto com a Estação, não necessariamente ocorrerá o cenário catastrófico do filme 'Gravidade'. A Estação está equipada com sensores de pressão: se uma colisão causar um furo em algum lugar, um dos módulos da estação pode ser isolado, fechando-o, e então os vazamentos consertados, como os russos fizeram com a estação Mir.

Agora, se os destroços atingirem um depósito, aí sim é grave e pode haver uma explosão. Mas seria realmente o cúmulo do azar!"


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade