UAI
Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Jovem branco que matou manifestantes antirracistas nos EUA 'causou' a tragédia, diz promotor


15/11/2021 19:39

O estudante branco que matou duas pessoas em meio aos protestos antirracistas nos Estados Unidos de agosto de 2020 não pode alegar legítima defesa porque ele mesmo "criou o perigo" que reinava durante o incidente, afirmou a Promotoria nesta segunda-feira (15) em sua acusação.

Ao decidir o veredicto, é preciso "levar em conta que o acusado causou o incidente" porque, de acordo com a lei vigente no estado de Wisconsin, "não se pode reivindicar legítima defesa contra um perigo que você próprio cria", disse o promotor distrital Thomas Binger.

Em uma encenação, Binger segurou o rifle AR-15 semiautomático que Kyle Rittenhouse, então com 17 anos, levava na noite da tragédia nas ruas de Kenosha, cidade abalada por distúrbios após um erro policial.

Mantendo a assembleia judicial em suspense, o promotor lembrou que a primeira pessoa assassinada pelo estudante do ensino médio "não gostou de vê-lo apontando uma arma" para a multidão, o que explica por que ele começou a perseguir o jovem.

Em 23 de agosto de 2020, quando os Estados Unidos eram palco de gigantescas manifestações contra o racismo e a violência policial, Kenosha explodiu em chamas, quando policiais brancos feriram gravemente um jovem negro, Jacob Blake, com um tiro nas costas.

Na terceira noite dos distúrbios, Rittenhouse se juntou a homens armados que haviam ido "proteger" suas empresas dos rebeldes. Em circunstâncias confusas, ele abriu fogo, matando dois manifestantes e ferindo um.

Acusado de assassinato, Rittenhouse se declarou inocente, alegando ter "se defendido" de agressões. "Eu só queria deter as pessoas que me atacaram", disse ele em meio a lágrimas no banco das testemunhas.

No entanto, para o promotor, Kyle Rittenhouse "estava procurando emoção" e "sabia que haveria violência naquela noite".

Espera-se que os advogados de defesa apresentem seu caso mais tarde, e os jurados terão que se reunir separadamente para deliberar.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade