UAI
Publicidade

Estado de Minas BOGOTÁ

Procurador do TPI apoia 'progresso' do tribunal de paz na Colômbia


27/10/2021 19:44

O procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI), o britânico Karim Khan, enalteceu nesta quarta-feira (27) o trabalho realizado pelo tribunal surgido do acordo que desmobilizou a guerrilha das Farc, na Colômbia, por seu "progresso" nas investigações dos piores crimes do conflito.

"Os colombianos podem confiar que há progresso e ações significativas para a paz e a prestação de contas", disse o jurista britânico, ao término de uma reunião em Bogotá com o presidente da Jurisdição Especial para a Paz (JEP), Eduardo Cifuentes.

Desde a sua criação em 2017, o tribunal de paz denunciou o alto escalão das Farc pelo sequestro de pelo menos 21.000 pessoas e pelo recrutamento de 18.000 menores durante o seu levante armado.

"Agradeço ao senhor procurador o apoio contundente que oferece à Jurisdição Especial para a Paz e o faço em nome de nove milhões de vítimas" do conflito colombiano em quase seis décadas, afirmou Cifuentes.

Além dos guerrilheiros, o tribunal investiga vários militares, alguns deles comandantes, pela execução de 6.400 civis entre 2002 e 2008 para que os mesmos fossem apresentados como baixas em combate em troca de benefícios.

"Tenho sido um admirador [da JEP] há algum tempo", reconheceu Khan, que assumiu em junho o cargo de procurador do TPI e tem autoridade para investigar crimes dentro dos países-membros, se estes forem relutantes ou incapazes de fazê-lo.

A JEP oferece penas alternativas à prisão aos que confessarem seus crimes e oferecerem reparação às vítimas, e imporá condenações de até 20 anos a quem não disser a verdade em seus processos. Até o momento, o tribunal ainda não emitiu sua primeira sentença.

- 'Dizer a verdade' -

"A viagem ainda não terminou, mas [...] a JEP está bem financiada pelo governo e tem sustentação constitucional para fazer o seu trabalho", assinalou Khan.

O tribunal tem sido alvo de críticas de setores políticos e sociais que se opõem ao acordo de paz de 2016 e o consideram muito condescendente com os antigos guerrilheiros.

O presidente do país, Iván Duque, é um de seus maiores opositores. Em 2019, ele propôs reformar a Jurisdição, mas a Justiça comum rechaçou essa iniciativa.

Cifuentes também aproveitou a ocasião para enviar uma mensagem aos responsáveis de crimes graves durante o conflito colombiano, que envolveu guerrilhas de esquerda, grupos paramilitares e forças estatais:

"Vocês têm a oportunidade [...] de vir à JEP para dizer a verdade e assumir plena responsabilidade. Se não, pelo contrário, terão que fazê-lo um dia ante o Tribunal Penal Internacional", advertiu.

Khan está em uma viagem de dez dias por Colômbia e Venezuela, onde investiga supostos abusos de direitos humanos por parte do governo de Nicolás Maduro na violenta repressão aos protestos antigovernamentais de 2017, que deixaram cerca de 100 mortos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade