UAI
Publicidade

Estado de Minas RIO DE JANEIRO

'Não temos culpa de nada', diz Bolsonaro sobre acusações por pandemia


20/10/2021 13:58 - atualizado 20/10/2021 14:02

O presidente Jair Bolsonaro, acusado por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) de cometer pelo menos dez crimes durante a gestão da pandemia, garantiu nesta quarta-feira (20) que não tem "culpa de nada" e que fez "a coisa certa" desde o início.

"Como seria bom se aquela CPI tivesse fazendo algo de produtivo para o nosso Brasil. Tomaram o tempo de nosso ministro da Saúde, de servidores, de pessoas humildes e de empresários. Nada produziram a não ser o ódio e o rancor entre alguns de nós", declarou o presidente durante ato oficial no Ceará.

"Mas nós sabemos que não temos culpa de absolutamente nada. Sabemos que fizemos a coisa certa desde o primeiro momento", insistiu horas após a apresentação do relatório que atribui a ele, a ministros e a três de seus filhos várias responsabilidades na crise de saúde que deixou mais de 600 mil mortos no Brasil.

Após seis meses de sessões, o relator da CPI, senador Renan Calheiros, concluiu que o governo federal expôs "deliberadamente a população ao risco concreto de infecção em massa", o que o levou a pedir o indiciamento de Bolsonaro e outras 67 pessoas.

Além de "atraso deliberado" na compra de vacinas, "se comprovou a existência de um gabinete paralelo, a intenção de imunizar a população por meio do contágio natural, se deu prioridade a um tratamento precoce sem base científica e foram desestimuladas as medidas não farmacológicas", como uso de máscara e distanciamento, afirma o relatório.

A CPI não tem poder de fazer denúncias formais, mas seu relatório será enviado a diferentes órgão que podem prosseguir com as investigações e apresentar acusações, como a Procuradoria Geral, o Tribunal de Contas da União ou um tribunal internacional.

O resumo do relatório será lido nesta quarta-feira e votado pelos 11 integrantes na próxima semana.

Renan Calheiros anunciou na noite de terça que apresentaria as acusações, entre elas as de "crime contra a humanidade" e "prevaricação".

Os crimes de "homicídio" e "genocídio de indígenas" foram retirados no último minuto devido a dissensos no âmbito da CPI.

Para a CPI, o governo Bolsonaro agiu com "dolo", tendo decidido intencionalmente não adotar as medidas necessárias para conter a circulação do vírus.

As acusações gravíssimas devem, no entanto, ter um alcance sobretudo simbólico por enquanto, uma vez que o presidente se beneficia de apoios no Congresso que lhe permitem evitar a abertura de um processo de impeachment. O mesmo vale para o procurador-geral da República, Augusto Aras, um aliado de Bolsonaro, que pode barrar qualquer indiciamento.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade