UAI
Publicidade

Estado de Minas CHICAGO

Confronto pela vacina entre prefeita de Chicago e polícia chega aos tribunais


16/10/2021 11:15

Um juiz de Chicago proibiu, nesta sexta-feira (16), o presidente do sindicato policial da cidade de fazer declarações públicas sobre a política da prefeitura em relação à covid-19, em um momento de denúncias trocadas pela obrigatoriedade de se vacinar.

A disputa entre a prefeita de Chicago, Lori Lightfoot, e o presidente do sindicato da polícia local, John Catanzara, transformou a cidade no epicentro de um debate extremamente polarizado sobre as vacinas e se as autoridades públicas têm o direito de torná-las obrigatórias.

A prefeita denunciou o sindicalista e um juiz da cidade proibiu por 10 dias Catanzara de fazer declarações que incentivem os membros do corpo a não informarem sobre seu estado de vacinação.

O sindicato da polícia apresentou sua própria denúncia na sexta-feira contra Lightfoot e o superintendente da polícia de Chicago, David Brown, que pretende forçar uma arbitragem sobre o assunto.

Assim como todos os funcionários da cidade, os policiais de Chicago tinham a obrigação de informar seu estado de vacinação em um portal online antes de meia-noite de sexta-feira. Os que não estiverem vacinados serão submetidos a testes duas vezes por semana.

Aqueles que se recusarem a informar seu estado têm alguns dias para se explicarem, mas enfrentam um período de licença não remunerada e até demissão.

Em dois vídeos publicados nesta semana, Catanzara pediu aos agentes da polícia que ignorem a ordem, ainda que corram risco de perder o salário.

Cataranza estimou que Chicago teria uma "força policial de 50% ou menos para este fim de semana" se os agentes seguissem seus conselhos.

Lightfoot respondeu: "Não posso e não ficarei de braços cruzados enquanto a retórica dos teóricos da conspiração ameaça a saúde e a segurança dos moradores de Chicago".

Também acusou Catanzara de "fomentar uma paralisação trabalhista ou uma greve". Tanto a lei estadual quanto o contrato sindical proíbem a polícia de Chicago de fazer greve.

O sindicato respondeu com um tuíte na sexta-feira: "O presidente John Catanzara nunca participou, apoiou ou incentivou uma paralisação trabalhista".

A princípio, Lightfoot aprovou que todos os trabalhadores municipais tenham que se vacinar obrigatoriamente, mas depois suavizou a medida ao permitir que os não vacinados façam dois testes de covid-19 semanais até o fim do ano.

Segundo a página Officer Down, 228 policiais nos Estados Unidos morreram por covid-19 no decorrer do ano, o que a transforma na principal causa de morte em serviço entre as 356 vítimas mortais registradas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade