UAI
Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Opas está ajudando Cuba na aprovação de suas vacinas anticovid


06/10/2021 19:19

A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) disse nesta quarta-feira (6) que está oferecendo assistência a Cuba nos trâmites para obter a aprovação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para suas vacinas anticovid-19.

"Estamos apoiando Cuba para que participe no processo de pré-qualificação da OMS", afirmou, em coletiva de imprensa, o médico sanitarista brasileiro Jarbas Barbosa, vice-diretor-geral da Opas.

"Já tivemos uma reunião com a equipe da OMS e os produtores da vacina. E vamos ter outras reuniões, porque o nosso interesse é que todas as vacinas [contra covid-19] possam participar no processo da OMS para receber a autorização de uso emergencial", disse.

Barbosa explicou que apenas os imunizantes com aval da OMS podem ser adquiridos pelo fundo rotativo da Opas, que oferece vacinas consideradas eficazes e seguras a preços acessíveis a todos os países-membros.

"Convidamos todos os produtores de vacinas do mundo a participarem do processo, pois assim teremos mais vacinas disponíveis", frisou.

Cuba anunciou em setembro o início de intercâmbios com especialistas da OMS para o reconhecimento das vacinas anticovid produzidas pela farmacêutica estatal BioCubaFarma.

As vacinas Soberana 01, Soberana 02, Soberana Plus e Abdala da BioCubaFarma apareciam como interessadas para serem avaliadas pela OMS em 29 de setembro, data da última atualização da Opas sobre o trâmite de pré-qualificação de imunizantes na OMS.

Segundo esse documento, as quatro vacinas se baseiam em uma proteína do vírus Sars-CoV-2, combinada quimicamente com meningococo B, toxoide tetânico ou alumínio.

Até o momento, a OMS autorizou as vacinas Johnson & Johnson, Moderna, Sinopharm e Sinovac. Outros imunizantes continuam sob análise da OMS, entre eles o russo Sputnik V, o francês Sanofi e o americano Novavax.

Por sua vez, as vacinas anticovid cubanas já receberam o sinal verde das agências reguladoras nacionais de Venezuela, Vietnã, Irã e Nicarágua.

Ao ser questionado sobe essas aprovações, Barbosa ressaltou que são decisões soberanas dos países e não quis fazer comentários sobre a eficácia das vacinas que não concluíram o processo de pré-qualificação da OMS.

"Não é que possam ser ruins ou boas, mas nós simplesmente não podemos falar sobre o que nossos colegas em Genebra ainda não revisaram de maneira cuidadosa", finalizou.

ASTRAZENECA

PFIZER

02 - TELEFONICA DEUTSCHLAND HOLDING AG

BioNTech

JOHNSON & JOHNSON

Novavax


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade