UAI
Publicidade

Estado de Minas MANCHESTER

Johnson defende retomada e melhores salários após o Brexit


06/10/2021 06:24

O primeiro-ministro Boris Johnson discursará nesta quarta-feira (6) para os militantes do Partido Conservador, reunidos em um congresso em Manchester, e prometerá uma grande reforma que, após o Brexit, deve liberar a economia britânica de sua dependência de mão de obra estrangeira barata.

Diante das longas filas nos postos de gasolina, das prateleiras vazias nos supermercados e das advertências dos comerciantes sobre um possível Natal sombrio, Johnson insiste que a dor a curto prazo vale a pena e que este é um período de transição.

"Estamos lidando com os problemas subjacentes mais importantes de nossa economia e nossa sociedade", afirmará Johnson no discurso de encerramento do congresso do Partido Conservador em Manchester.

"Os problemas que nenhum governo teve a coragem de enfrentar antes", deve argumentar, segundo trechos do discurso antecipados.

Trata-se de uma "mudança de direção que demorou muito" para a economia britânica, segundo o primeiro-ministro.

O Reino Unido deve abandonar um "antigo sistema quebrado" baseado em "baixos salários, baixo crescimento, baixa qualificação e baixa produtividade, tudo isso possível e facilitado por uma imigração fora de controle", insistirá Johnson.

Antes do Brexit, as empresas britânicas, de transporte inclusive, conseguiram "manter uma imigração de baixos salários e baixos custos durante muito tempo".

O resultado para a produtividade foi que "ficamos para trás de nossos principais concorrentes durante duas décadas ou mais", pois as empresas não investiram, lamentou na terça-feira o primeiro-ministro em declarações à imprensa.

Desde que o Reino Unido saiu definitivamente da União Europeia (UE) em janeiro, Johnson e seu ministro das Finanças, Rishi Sunak, afirmam defender uma economia de "salários elevados e alta qualificação".

Mas a transição levará tempo e, durante o processo, o governo conservador aceitou a contragosto um número limitado de vistos excepcionais de curta duração para atrair caminhoneiros e avicultores, principalmente do leste europeu.

A crise de abastecimento ameaça ofuscar os temas que Johnson deveria enfatizar em seu discurso de encerramento do congresso, como a promessa de reduzir as enormes disparidades entre a rica Londres e o restante do país, impulsionar a "Grã-Bretanha global" após o Brexit e a resposta aos protestos de movimentos como antirracista.

Também deve falar sobre a ação britânica contra a mudança climática e a necessidade de uma coordenação global antes de de receber, a partir de 31 de outubro na cidade escocesa de Glasgow, a reunião do clima COP26.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade