UAI
Publicidade

Estado de Minas BOGOTÁ

Quase 300 ex-combatentes das Farc foram mortos após deixarem suas armas na Colômbia, diz ONU


01/10/2021 18:35

Cerca de 292 ex-combatentes das Farc, ex-guerrilha marxista que assinou um acordo de paz em 2016, foram assassinados na Colômbia depois de deixar suas armas, revelou a ONU em seu relatório trimestral sobre o andamento do tratado.

Desde junho deste ano, a organização detectou "o assassinato de 14 ex-combatentes das Farc-EP (todos homens), elevando o número para 292 (incluindo nove mulheres) desde a assinatura do acordo".

O relatório, divulgado pouco menos de dois meses após o quinto aniversário do pacto definitivo para desarmar Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), alerta para o risco de violência contra ex-rebeldes.

A ONU observa "uma deterioração significativa na segurança dos ex-combatentes em Cauca, Nariño e Valle del Cauca (todos os três no sudoeste), departamentos que respondem por mais de um terço de todos os assassinatos".

"As partes, a sociedade colombiana e a comunidade internacional não devem ignorar os significativos desafios e fatores de risco" que o acordo enfrenta "no longo prazo, entre os quais se destaca a violência em várias regiões do país", estima o secretário-geral da ONU, António Guterres, citado no documento.

Depois de assinar a paz em 24 de novembro de 2016, cerca de 13 mil pessoas, incluindo 7 mil combatentes, se desmobilizaram sob a supervisão da ONU para entrar na vida civil e formar um partido político chamado Comunes.

Porém, centenas de dissidentes que não aderiram ao acordo continuam atuando em várias regiões isoladas, onde o Estado é quase ausente.

Eles se dedicam ao tráfico de drogas, a mineração ilegal e a extorsão, segundo a inteligência militar. Também ameaçam seus ex-companheiros e ativistas enquanto tentam reunificar as antigas estruturas das Farc.

As autoridades calculam que eles são cerca de 2.500. Sem comando unificado, enfrentam também o Exército de Libertação Nacional (ELN), última guerrilha reconhecida no país, e grupos de narcotraficantes herdeiros do paramilitarismo.

A persistente violência está causando "deslocamentos em massa e confinamentos", afetando "principalmente as comunidades indígenas e afro-colombianas", concluiu a ONU.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade