UAI
Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Vão votar ou não? Reformas de Biden permanecem paralisadas no Congresso


01/10/2021 13:28

A Casa Branca afirma que o Partido Democrata nunca esteve tão perto de resolver suas diferenças sobre as grandes reformas do presidente Joe Biden. No entanto, as negociações entre progressistas e moderados do partido do governo se apresentam mais difíceis do que nunca nesta sexta-feira (1º).

Na noite de quinta-feira, a porta-voz do presidente democrata, que apagou as luzes do Salão Oval muito mais tarde do que de costume, fez o possível para transmitir uma mensagem positiva.

Legisladores democratas extremamente divididos haviam acabado de renunciar à votação final de um grande plano de financiamento de infraestrutura.

"Estamos mais perto do que nunca de um acordo", disse Jen Psaki. Mas vai demorar "mais tempo para concluir os trabalhos".

Nesta sexta-feira, os democratas retomam suas discussões para evitar a derrota dos grandes projetos do presidente no Congresso.

Biden prometeu "reconstruir" os Estados Unidos depois da pandemia e diante das mudanças climáticas. Ele quer renovar a infraestrutura física e reabastecer a rede de apoio social.

O ex-senador, cuja popularidade diminuiu desde a retirada caótica do Afeganistão, luta para despertar o entusiasmo popular por suas reformas e deve obter sucesso em várias frentes.

- Democratas divididos -

Por um lado, há grandes investimentos em estradas, pontes, redes elétricas apoiados por vários legisladores republicanos e, a princípio, pelos democratas.

Por outro, existe um gigantesco programa de gastos sociais (educação, saúde) e ambientais, que os conservadores rechaçam e que divide o campo democrata. Seu valor, ainda incerto, foi inicialmente anunciado em US $ 3,5 bilhões.

Os democratas progressistas se recusam a votar em infraestruturas sem garantias de gastos sociais. O argumento deles: os democratas do centro, assim que as pontes e estradas forem financiadas, poderiam adiar indefinidamente as demais votações.

Para alguns democratas moderados, incluindo o senador Joe Manchin e o senador Kyrsten Sinema, a questão principal é a quantia (que eles gostariam de reduzir) e o financiamento (que eles questionam), por meio de aumentos de impostos para os ricos e multinacionais.

Para esses democratas e para todo o campo republicano, o Estado não deve interferir muito, mesmo com a melhor das intenções, na vida privada dos americanos.

- "Assistencialismo" -

Assim, o senador Manchin disse publicamente que se opõe ao desenvolvimento de uma "mentalidade de assistencialismo".

Para os legisladores mais de esquerda, liderados pelo senador Bernie Sanders, ao contrário, há uma necessidade urgente de corrigir as grandes desigualdades.

E no meio está Biden que repete incessantemente "Eu sou um capitalista", mas que é preciso apoiar a classe média trabalhadora.

Os democratas controlam a Câmara dos Representantes, mas sua maioria no Senado é tão estreita que qualquer deserção tem um custo alto. E, além disso, podem perder essa maioria em pouco mais de um ano, nas eleições de meio de mandato.

Para complicar ainda mais as coisas, os republicanos querem a votação sobre um aumento do "teto da dívida" antes da data limite de 18 de outubro.

Essa manobra orçamentária é necessária para evitar um default dos Estados Unidos, com consequências imprevisíveis.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade