UAI
Publicidade

Estado de Minas ADIS ABEBA

ONU alerta sobre desnutrição 'sem precedentes' na região de Tigré


01/10/2021 09:08

Grávidas e lactantes da região de Tigré, na Etiópia, sofrem de uma desnutrição "sem precedentes", após dez meses de guerra - advertiu o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), na quinta-feira (30), pouco depois de Adis Abeba anunciar a expulsão de sete funcionários da ONU.

Em um relatório publicado online, o OCHA (na sigla em inglês) também descreve a desnutrição "alarmante" entre as crianças.

"Das mais de 15.000 grávidas e lactantes que foram acompanhadas durante o período do estudo, mais de 12 mil, ou em torno de 79%, foram diagnosticadas com desnutrição grave", disse o OCHA.

O nível de desnutrição moderada entre crianças menores de cinco anos "também supera os níveis de emergência, fixados em 15%, e chega perto de 18%, enquanto a proporção de crianças gravemente desnutridas chega a 2,4%", acima do limite de alerta de 2%, acrescenta o informe.

Ontem, o governo etíope anunciou a expulsão, em até 72 horas, de sete funcionários de agências da ONU acusados de "interferência" em seus assuntos internos. Entre eles, estão membros do OCHA e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

"De acordo com as cartas dirigidas a cada um dos sete indivíduos listados a seguir, todos devem abandonar o território da Etiópia nas próximas 72 horas", declarou o Ministério etíope das Relações Exteriores, em um comunicado publicado em sua página do Facebook, nomeando os sete funcionários ordenados a deixarem o país.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse ter-se surpreendido com a decisão, ressaltando que "todas as operações humanitárias das Nações Unidas se baseiam nos princípios fundamentais de humanidade, imparcialidade, neutralidade e independência".

Diplomatas informaram que uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU será realizada a portas fechadas nesta sexta-feira.

A região de Tigré está imersa em combates desde novembro passado, quando o primeiro-ministro Abiy Ahmed enviou tropas do Exército etíope para esta área, com o objetivo de derrubar as autoridades regionais da Frente de Libertação do Povo de Tigré (TPLF). Ahmed acusa o grupo de orquestrar ataques a campos militares federais.

O conflito deu uma pausa de alguns meses até que os combatentes pró-TPLF recuperaram o controle da região no final de junho, e as tropas do governo se retiraram.

Desde então, os combates se ampliaram, chegando às regiões vizinhas de Afar e Amhara.

Segundo a ONU, 400 mil pessoas "cruzaram o limiar da fome" em Tigré, mas a ajuda humanitária que chega à região é muito escassa.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade