UAI
Publicidade

Estado de Minas PORTO PRÍNCIPE

Em meio à crise, eleições são adiadas no Haiti, sem data definida


27/09/2021 21:39

As eleições presidenciais, legislativas e o referendo constitucional previstos para novembro e janeiro no Haiti foram adiados por prazo indeterminado, após a destituição de membros do corpo eleitoral pelo governo nesta segunda-feira (27), ampliando a crise do país.

Desde sua nomeação em 2020 pelo presidente Jovenel Moise, assassinado em 7 de julho em sua residência por um comando armado, os nove membros do Conselho Eleitoral Provisório (CEP) têm sido duramente criticados pela oposição e por membros da sociedade civil.

Depois de ter elaborado vários calendários eleitorais ao longo do ano, o CEP fixou o dia 7 de novembro para a realização do primeiro turno das eleições presidenciais e legislativas, assim como de um referendo constitucional. O segundo turno foi marcado para 23 de janeiro de 2022, junto com as eleições municipais e locais.

Mas o primeiro-ministro Ariel Henry anunciou nesta segunda a destituição dos membros do CEP e a nomeação de um novo conselho, sem definir datas claras.

O assassinato de Moise em julho aprofundou a crise institucional em que o Haiti está mergulhado há anos. Antes de sua morte, o presidente era criticado por não ter organizado eleições desde que assumiu o cargo, em fevereiro de 2017.

Por falta de eleições, o Parlamento haitiano não tem deputados desde janeiro de 2020, e apenas 10 dos 30 senadores - cujo mandato terminou em fevereiro de 2023 - ainda ocupam os cargos.

A ausência de qualquer agenda eleitoral enfraquece a classe política, decomposta e confrontada, enquanto o país enfrenta uma forte crise humanitária e de segurança.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade