UAI
Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Biden tenta reviver o 'Quad', aliança com Índia, Japão e Austrália


24/09/2021 17:55 - atualizado 24/09/2021 18:01

O presidente americano, Joe Biden, continua mexendo as fichas na região do Indo-Pacífico ao receber nesta sexta-feira (24) os primeiros-ministros de Índia, Japão e Austrália, após anunciar na semana passada uma espetacular aliança militar entre os Estados Unidos, a Austrália e o Reino Unido.

Biden, que quer conter a influência crescente da China, pretende reviver o "Diálogo de Segurança Quadrilateral".

O também chamado "Quad" foi esboçado depois da tsunami devastadora de 2004 e formalizado em 2007, mas está inativo há muito tempo.

Depois de uma cúpula virtual em março, Biden volta a reuni-lo de forma presencial e em alto nível.

Na Casa Branca, Scott Morrison (Austrália) e Yoshihide Suga (Japão) saudaram este encontro que, segundo eles, tem como objetivo promover "uma região do Indo-Pacífico Livre e aberta", uma formulação usada para criticar, sem mencionar, a China e suas ambições na região.

Narendra Modi (Índia) insistiu nos "valores democráticos compartilhados" dos quatro sócios.

"Somos quatro democracias de primeiro nível, com uma longa história de cooperação, sabemos como fazer as coisas avançarem", disse o anfitrião, Biden,

- "Guinada para a Ásia" -

Ao reativar o "Quad", Biden está de alguma forma buscando a "guinada para a Ásia" da política externa americana, um objetivo acalentado pelo ex-presidente Barack Obama (2009-2017).

Mas depois do anúncio do AUKUS, como é conhecido o acordo com o Reino Unido e a Austrália - e do seu contrato de submarinos de propulsão nuclear que enfureceu a França -, Washington quer apresentar o "Quad" sob uma luz de consenso.

É um cenáculo "informal" e "íntimo", destinado a "desenvolver melhores canais de comunicação", disseram altos funcionários da Casa Branca a jornalistas.

Não há um objetivo "militar", insistiram, assegurando que o "Quad" seria "complementar" a outras iniciativas regionais, em resposta a uma pergunta sobre sua articulação com a Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

Alguns membros desta organização, integrado por Malásia, Indonésia, Brunei, Vietnã, Camboja, Laos, Mianmar, Singapura, Tailândia e Filipinas, temem que a ofensiva americana na região leve a uma escalada com a China.

- Semicondutores, vacinas e clima -

Segundo altos funcionários, o "Quad" deveria insistir nesta sexta sobretudo em projetos econômicos, ambientais e no combate à pandemia.

Os quatro sócios querem lançar uma iniciativa para proteger o abastecimento de semicondutores, componentes eletrônicos indispensáveis tanto para máquinas de lavar quanto para aviões ou smartphones, e que indústrias de todo o mundo têm enfrentado dificuldades para conseguir.

Também preveem falar sobre a tecnologia 5G, cibersegurança, intercâmbios universitários, projetos espaciais, pesca e vacinas.

"Para Washington, o desafio é superar o paradigma da segurança e melhorar a posição econômica dos Estados Unidos no sudeste da Ásia", disse Jonathan Stromseth, especialista na região, em nota publicada pelo centro de pesquisas Brookings Institution.

Stromseth avaliou que o esforço para reanimar o "Quad" é "emblemático" da "abordagem da administração Biden frente à China, apresentada como competitiva quando for preciso, cooperativa quando possível e de confronto quando necessário".

O presidente democrata mantém perante a China uma linha mais dura mais ou menos como a de seu antecessor, o republicano Donald Trump, mas lida com o enfrentamento com Pequim de outra forma.

Biden, que tenta superar o confronto cara a cara entre as duas superpotências, espera reativar o jogo de alianças e incentivar os parceiros tradicionais dos Estados Unidos a tomar posições francas frente à China.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade