Publicidade

Estado de Minas BUENOS AIRES

Argentina permite registro de identidades não binárias em documento

Pessoas que se identificam com este gênero são aquelas que a identidade não se limitada ao masculino e feminino


21/07/2021 16:01 - atualizado 21/07/2021 17:06

Bandeira do gênero não binário(foto: Reprodução)
Bandeira do gênero não binário (foto: Reprodução)
O documento de identidade nacional da Argentina acrescenta a partir desta quarta-feira (21/7) a opção "X" na definição do gênero, além de masculino e feminino, segundo um decreto presidencial que coloca o país na vanguarda do tema na América Latina.

A norma estabelece a possibilidade de incorporação de uma terceira opção com o objetivo de salvaguardar o direito à identidade de gênero, previsto em lei desde 2012.

"A nomenclatura 'X' no campo 'sexo' incluirá os seguintes significados: não binário, indeterminado, não especificado, indefinido, não informado, autopercebido, não consignado, ou outro significado com o qual a pessoa não se sinta representada pelo binômio diz a portaria publicada no Diário Oficial.

O presidente Alberto Fernández entregou os três primeiros documentos com a nova nomenclatura nesta quarta-feira, em cerimônia realizada no Museu do Bicentenário, ao lado da casa do governo.

"O Estado não deve se importar com o sexo de seus cidadãos", disse o presidente e comemorou que existem "mil maneiras de amar, ser amado e ser feliz".

A norma defende que "o direito à identidade tem um vínculo direto e indissociável com o direito de não sofrer discriminação, à saúde, à privacidade e à realização do próprio projeto de vida".

"Existem outras identidades além da de homem e mulher e devem ser respeitadas", disse o presidente.

A Federação LGBT Argentina celebrou o que definiu como um "avanço histórico em matéria de direitos" graças ao "ativismo das organizações".

"Embora o uso do 'X' não seja totalmente inclusivo no reconhecimento da ampla gama de identidades que existem, é um passo importante no caminho para a igualdade real de direitos", disse a Federação em nota.

Neste sentido, considerou que "é a melhor forma de poder reconhecer um direito e não perder outros, até que haja uma mudança mais profunda a nível global".

O presidente Fernández considerou que "a sanção do casamento igualitário foi o início de todo este caminho para a diversidade", recordando a lei que está em vigor desde 2010.

Recentemente, a Argentina também aprovou uma lei que estabeleceu uma cota de funcionários trans na administração pública nacional.

A nomenclatura 'x' no campo correspondente ao sexo constará do documento de identidade nacional (DNI) e do passaporte.

Com essa mudança, a Argentina se junta a outros países como Canadá, Austrália e Nova Zelândia.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade