Publicidade

Estado de Minas PESHAWAR

Explosão de ônibus no Paquistão deixa 12 mortos


14/07/2021 08:53 - atualizado 14/07/2021 08:55

Ao menos 12 pessoas, incluindo nove cidadãos chineses, morreram nesta quarta-feira (14) na explosão de um ônibus que caiu por um barranco, no noroeste do Paquistão, o que foi classificado de "ataque" pelo governo chinês.

O veículo transportava engenheiros, topógrafos e pessoal chinês de manutenção mecânica que trabalhavam na construção da represa de Dasu, na província de Jaiber Pastunjua.

China e Paquistão, dois aliados próximos, indicaram em comunicados separados que 12 pessoas, incluindo nove cidadãos chineses, morreram na explosão que ocorreu por volta das 7h00 (23h00 de terça-feira no horário de Brasília) no distrito de Kohistan, mas diferem fortemente em suas interpretações dos eventos.

O ministério paquistanês das Relações Exteriores afirmou que foi aberta uma investigação, mas, em nota, detalhou que o veículo "caiu no barranco após uma falha mecânica, que causou um vazamento de gás que deu origem à explosão".

Já a China condenou os fatos, os quais classificou de "ataque", e pediu ao Paquistão que puna duramente os responsáveis.

"Um projeto de uma empresa chinesa no Paquistão sofreu um ataque, matando cidadãos chineses", declarou a embaixada chinesa no Paquistão em um comunicado na quarta-feira.

A embaixada também pediu às empresas chinesas no país que reforcem suas medidas de segurança.

O porta-voz do ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, pediu às autoridades paquistanesas que "punam severamente" os responsáveis pela explosão e "protejam com seriedade os cidadãos e as organizações chinesas" no país.

- Ressentimento contra a China

A segurança dos trabalhadores chineses nos diferentes projetos de infraestrutura no Paquistão é, há tempos, motivo de preocupação para Pequim, investiu bilhões de dólares neste país nos últimos anos.

Em abril, um atentado suicida teve como alvo o hotel, no qual o embaixador chinês estava hospedado, em Quetta, capital da província do Baluchistão (oeste). O ataque foi reivindicado pelo Tehreek-e-Taliban Pakistan (TTP), os talibãs paquistaneses. Pelo menos quatro pessoas morreram, e dezenas ficaram feridas, no episódio.

Os projetos financiados pela China criam, com frequência, um forte ressentimento no Paquistão, sobretudo, entre os grupos separatistas. Para eles, a população local não tem qualquer benefício com estas obras, já que a maior parte da mão de obra é chinesa.

Em maio de 2019, um ataque a um hotel de luxo perto do porto de Gwadar (sudoeste), estratégico para o megaprojeto de infraestrutura do Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC), causou a morte de oito pessoas.

Seis meses antes, um ataque suicida contra o consulado chinês em Karachi, a maior cidade do Paquistão e sua capital financeira, deixou pelo menos quatro mortos.

Em junho de 2020, a Bolsa de Karachi, onde estão muitas empresas chinesas, sofreu um ataque com total de quatro óbitos.

Estes atentados foram reivindicados pelo Exército de Libertação do Baluchistão (BLA, na sigla em inglês).

Em 2010, o TTP também cometeu vários atentados nas grandes cidades do Paquistão, de seu reduto em áreas tribais, onde abrigava grupos jihadistas. Entre eles, a rede Al-Qaeda.

Uma operação militar de grande envergadura lançada em 2014 permitiu destruir a estrutura de comando do TTP, o que resultou em alguma melhora nas condições de segurança em todo país.

Há informações, porém, sobre um reagrupamento dos talibãs paquistaneses nos últimos meses na fronteira com o Afeganistão.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade