Publicidade

Estado de Minas BUENOS AIRES

Macri nega acusações de que teria enviado munições para repressão na Bolívia


11/07/2021 18:08

O ex-presidente argentino Mauricio Macri (2015-2019) negou "categoricamente" as alegações do governo boliviano de que seu governo enviou munição letal para reprimir seguidores de Evo Morales em 2019.

"Quero desmentir categoricamente a veracidade dessas acusações", escreveu o ex-presidente na noite de sábado em uma publicação em suas redes sociais.

O chanceler boliviano, Rogelio Mayta, disse na quinta-feira que a Argentina entregou "munição letal" às forças militares que reprimiram as manifestações de novembro de 2019 na Bolívia.

Mayta divulgou cópia de uma carta que o chefe da Força Aérea Boliviana, Gonzalo Terceros, enviou ao embaixador argentino em La Paz, Normando Álvarez García, na qual agradecia o recebimento de "40.000 cartuchos AT além de gás lacrimogêneo e granadas de gás.

Macri lembrou que em novembro de 2019, após denúncias de fraude, a convulsão social e a consequente renúncia do então presidente Evo Morales, a Argentina "prestou ajuda humanitária" ao país.

Também assegurou que tanto o ex-embaixador argentino Álvarez García quanto o ex-chefe militar boliviano Terceros "negaram a denúncia de conspiração e a autenticidade da prova apresentada".

"Tudo o que foi dito é falso. Tudo é mentira", afirmou ele em sua extensa defesa.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade