Publicidade

Estado de Minas NAÇÕES UNIDAS

ONU amplia ajuda transfronteiriça para a Síria


09/07/2021 15:22

O Conselho de Segurança da ONU prorrogou, nesta sexta-feira (9), por seis meses renováveis sob condições, o mecanismo da ONU para a ajuda humanitária transfronteiriça à Síria sem a aprovação de Damasco, que expiraria no sábado.

O texto, aprovado por unanimidade, sintetiza dois esboços, um da Irlanda e Noruega e outro da Rússia. A duração da prorrogação é interpretada de forma diferente pelos Estados Unidos, que a considera de um ano, e pela Rússia, que diz que é de seis meses prorrogáveis em função de um relatório do secretário-geral da ONU esperado para o fim do ano.

Diplomatas afirmaram que não seria obrigatória uma votação dentro de seis meses.

A resolução estende o mecanismo para o acesso único de Bab al Hawa, na fronteira noroeste da Síria com a Turquia, "com uma prorrogação suplementar de seis meses sujeita à publicação de um relatório do secretário-geral".

Esse relatório deve "dar um destaque especial à transparência das operações e dos progressos no acesso (...) para responder a necessidades humanitárias", diz a resolução.

A decisão é fruto de um compromisso entre Estados Unidos e Rússia, alcançado em negociações de última hora, e que se estendeu aos outros três membros permanentes do Conselho (China, Reino Unido e França).

O embaixador da Rússia na ONU, Vasili Nebenzia, reiterou que após a recente cúpula dos presidentes Vladimir Putin e Joe Biden em Genebra, o acordo sobre o mecanismo é "histórico".

"Pela primeira vez, Rússia e Estados Unidos não só chegaram a um acordo, mas também apresentaram um texto conjunto a todos os colegas do Conselho", disse.

"Esperamos que este cenário represente uma mudança que beneficiará não só a Síria, como também toda a região do Oriente Médio e todo o mundo", acrescentou.

Apoio principal do governo sírio, a Rússia defende há muito tempo o fim deste mecanismo transfronteiriço e busca encaminhar a ajuda por meio de Damasco para, com isso, reconhecer a plena soberania do governo sobre o território sírio.

- Situação humanitária agravada -

A embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas Greenfield, também elogiou a incomum cooperação com a Rússia.

"É importante que Estados Unidos e Rússia possam se juntar em uma iniciativa humanitária que serve para os interesses do povo sírio", disse após votar a resolução.

"Graças a esta resolução, milhões de sírios terão um respiro de alívio sabendo que a ajuda humanitária vital continua chegando a Idleb pelo postro fronteiriço de Bab al Hawa", afirmou a embaixadora, que no início pediu para negociar três pontos de acesso.

Criado em 2014, o mecanismo transfronteiriço da ONU funciona há um ano pelo único ponto de acesso de Bab al Hawa, após uma redução do dispositivo imposta pela Rússia.

Com mil caminhões por mês, esse acesso permite o contato com mais de três milhões de pessoas na região de Idleb (noroeste), a última fortaleza da oposição que Damasco não consegue controlar.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, celebrou a resolução, mas várias ONGs a criticaram.

A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) protestou pela manutenção de um único ponto de acesso.

"Mais uma vez, a Rússia conseguiu chantagear a comunidade internacional para que permita apenas uma passagem para a ajuda transfronteiriça da ONU na Síria", disse Louis Charbonneau, diretor da HRW para a ONU.

"Embora sejam bom que parte da ajuda transfronteiriça da ONU continue chegando no noroeste, muitas pessoas no nordeste terão a ajuda negada", afirmou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade