Publicidade

Estado de Minas VIENA

ONU alerta que efeitos da pandemia no consumo de drogas vão durar anos


24/06/2021 09:25

A pandemia da covid-19 aumentou o consumo de drogas, ao mesmo tempo que fomentou o cultivo ilícito de papoula para a produção de ópio, o que poderia ter repercussões por "anos", advertiu a ONU nesta quinta-feira (24).

"Os mercados de drogas ilícitas foram retomados rapidamente após as perturbações iniciais no início da pandemia", escreveu o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) em seu relatório anual.

O Afeganistão, que produz mais de 80% do ópio mundial, registrou um aumento de 37% na superfície de terra usada para seu cultivo, muitas vezes a única opção para estudantes desocupados ou trabalhadores desempregados devido à crise de saúde.

Ao mesmo tempo, o coronavírus acentuou "as desigualdades, a pobreza e os problemas de saúde mental em todo o mundo, todos fatores conhecidos de incentivo ao uso de drogas", enfatiza o documento.

Cerca de 275 milhões de pessoas em todo o planeta consumiram drogas no ano passado, em comparação com 269 milhões em 2018.

A maioria dos países relatou um aumento no uso de cannabis durante a pandemia, de acordo com o relatório, e observou que os jovens a viam como menos perigosa para a saúde, "apesar das evidências de que traz riscos".

O uso sem fins terapêuticos de produtos farmacêuticos também aumentou, enquanto o abandono da vida noturna reduziu o uso da cocaína.

A pandemia também teve impacto nos circuitos de distribuição, que se tornaram mais "inovadores".

O "tráfico de rua" deu lugar a "métodos sem contato, como compras online e entregas por meio do serviço postal ou mesmo por drones".

Entre os poucos avanços positivos observados pelo UNODC, a superfície das plantações de coca caiu 5% em 2019 graças aos esforços da Colômbia, o maior produtor mundial de cocaína.

O governo conservador do presidente Iván Duque, no poder desde 2018, avançou na destruição dessas plantações, que alcançaram o recorde de 171 mil hectares em 2017.

Porém, graças a um melhor rendimento, a produção mundial continuou a registrar recordes, atingindo 1.784 toneladas em 2019, o dobro de 2014, em um contexto de "diversificação das cadeias produtivas na Europa", fenômeno que "baixa os preços e aumenta a qualidade".

O relatório do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, que é uma "avaliação preliminar", se baseia nas informações coletadas pelo Escritório com as respostas recebidas dos Estados-membros, de suas próprias agências e da análise de fontes abertas, meios de comunicação e relatórios institucionais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade