Publicidade

Estado de Minas FAGRADALSFJALL

Na Islândia, erupção vulcânica se transforma em enormes gêiseres de lava


09/05/2021 12:18

Períodos de calmaria e, de repente, enormes gêiseres de lava que podem atingir centenas de metros de altura: uma erupção vulcânica ocorre há mais de 50 dias perto de Reykjavik, proporcionando um novo espetáculo, visível até mesmo da capital islandesa.

Apesar de um perímetro de segurança ter sido decretado para proteger os curiosos dos enormes fragmentos de rocha quente que caem, ainda há muitos que caminham perto do vulcão, no vale Geldingadalir, perto do Monte Fagradalsfjall, a 40 km de Reykjavik.

"É incrível ver isso", diz Henrike Wappler, uma alemã que mora na Islândia.

"Sinto-me muito pequena perante o poder da Terra (...) Mas não tenho medo!", acrescenta com a filha.

Um rugido intenso avisa que a explosão é iminente nesta área desabitada da península de Reikyan, no extremo sudoeste da Islândia.

"Parece um avião no céu", afirma Freija Wappler-Fridriksdóttir, uma das mais de 2.500 pessoas que se aproximaram da zona no sábado.

"Não é todo dia que podemos admirar um vulcão de tão perto. É algo realmente incrível e lindo", comenta, sentada a 500 metros da cratera.

Visíveis por dezenas de quilômetros, os gêiseres cor laranja brilhante iluminam o céu, com noites cada vez mais curtas neste mês de maio.

O Escritório Meteorológico Nacional considera que um dos jatos de lava mais intensos observados ultrapassou os 460 metros de altura, na madrugada de quarta-feira.

- "Bomba" -

Biarki Brinjarsson, de 25 anos, se delicia com este impressionante jogo de esconde-esconde, no qual a cratera fica escura por vários minutos sem sinais aparentes de atividade, antes que a lava se eleve no céu crepuscular.

"Estou esperando a bomba explodir", se diverte.

Esta atividade cíclica é estranhamente semelhante à do Strokkur, o gêiser de água mais ativo da Islândia, localizado 100 km a leste de Reykjavik.

Na realidade, "o magma corre o tempo todo. Apenas na superfície há modulação", segundo o vulcanologista Magnús Tumi Gudmundsson.

"Esse é um comportamento normal. Na verdade, é menos comum ter um fluxo contínuo sem intermitência", acrescenta.

As salvas de lava causam uma chuva de tefra (ou piroclastos), fragmentos de rocha sólida, alguns ainda quentes, potencialmente mortais, que caem várias centenas de metros da cratera.

Portanto, um perímetro de exclusão permanente foi estabelecido com um raio de 400 metros ao redor da cratera ativa, que pode ser estendido até 650 metros dependendo do vento.

Esta erupção, que começou na noite de 19 de março, é excepcional em vários aspectos: passaram-se mais de oito séculos desde que a lava fluiu pela última vez na península de Reikianes e quase 6.000 anos no local onde ocorre essa erupção.

Como resultado de várias rachaduras, formou-se sucessivamente numerosas pequenas crateras em Geldingadalir, das quais apenas uma está realmente ativa.

Os vulcanologistas não descartam qualquer hipótese sobre sua duração, que pode ser de alguns meses ou mesmo várias décadas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade