Publicidade

Estado de Minas SYDNEY

Austrália quer fronteiras fechadas até final de 2022


07/05/2021 06:46

A Austrália poderá manter suas fronteiras fechadas até o final de 2022, porque a nova onda de contágios por covid-19 no mundo põe por terra qualquer esperança de uma reabertura no curto prazo - anunciou o ministro do Turismo, Dan Tehan, nesta sexta-feira (7).

O aumento de casos na Índia mostra a necessidade de manter as restrições de fronteira para garantir o baixo nível de propagação do vírus na Austrália, alegou o ministro.

Desde 20 de março de 2020, a Austrália mantém controles drásticos nas fronteiras.

É "muito difícil determinar" quando as fronteiras poderão ser reabertas, disse Tehan à Sky News. "A estimativa mais otimista seria em meados, ou no segundo semestre, do próximo ano", completou.

Antes da pandemia, cerca de um milhão de viajantes entravam no país a cada mês para curtas estadas. Agora, são cerca de 7.000. Quem chega do exterior deve passar por uma quarentena de 14 dias em um hotel.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, anunciou, porém, que não prolongará a polêmica decisão de proibir o retorno de cidadãos australianos que voltarem da Índia.

Cerca de 9.000 australianos estão bloqueados no país asiático. Morrison ameaçou aplicar altas multas e até penas de prisão para aqueles que não respeitarem a medida.

"Esta medida, concebida de maneira provisória, vai expirar em 15 de maio", disse o chefe de governo.

A recente abertura de uma "bolha aérea" com a Nova Zelândia tem tido dificuldades e foi suspensa entre as cidades afetadas pelo aumento do número de casos causados por falhas nos dispositivos de quarentena.

A Austrália registrou 29.886 casos de contágio desde o início da pandemia. A maioria deles foi detectada em hotéis em quarentena.

A vacinação avança lentamente: apenas 2,5 milhões de doses foram administradas em um país de 25 milhões de habitantes. Cada pessoa precisa de duas doses.

A perspectiva de manter as fronteiras fechadas até o final de 2022 será um duro golpe para a indústria do turismo, que movimenta 33 bilhões de euros (US$ 40 bilhões) por ano.

"A esperança seria que pudéssemos criar mais algumas 'bolhas aéreas', mas estamos no meio de uma pandemia", disse o funcionário.

"Dependerá muito de como a pandemia mundial será administrada", completou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade