Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

EUA pede a forças de ordem da Colômbia 'máxima moderação' para evitar mais mortes


04/05/2021 17:53 - atualizado 04/05/2021 17:55

Os Estados Unidos pediram nesta terça-feira (4) às forças de ordem da Colômbia para agir com a "máxima moderação" para evitar mais óbitos durante os protestos contra o governo que deixaram pelo menos 19 mortos.

"Pedimos a máxima moderação às forças públicas para evitar mais perdas de vidas", afirmou em coletiva de imprensa a porta-voz adjunta do Departamento de Estado, Jalina Porter, acrescentando que Washington continua apoiando o governo em "seus esforços para fazer frente à situação atual mediante o diálogo político".

A funcionária informou que seu país está "entristecido" com as "perdas de vidas e envia suas condolências às famílias e aos amigos de todas as vítimas".

Porter acrescentou que em todo o mundo os cidadãos de países democráticos têm um direito "inquestionável" de protestar pacificamente e argumentou que "a violência e o vandalismo são um abuso deste direito".

Os protestos começaram na quarta-feira como um movimento contra uma reforma fiscal que o governo do direitista Iván Duque acabou retirando e que levou à saída de seu ministro da Fazenda. Nesta terça, as manifestações e os bloqueios continuavam nas ruas de várias cidades para protestar contra o governo.

Grupos de defesa dos direitos humanos e ONGs denunciaram ameaças e casos de violência policial, que incluem civis mortos por policiais.

A ONU, por sua vez, condenou o "uso excessivo da força" pelas autoridades, enquanto a União Europeia pediu-lhes para "evitar o uso desproporcional da força".

Neste sentido, a funcionária americana admitiu "o compromisso do governo da Colômbia para investigar as denúncias de excessos policiais e de abordar qualquer violação aos direitos humanos".

O país atravessa uma dura situação econômica, resultante da pandemia do coronavírus, que castiga o continente, que provocou uma contração do PIB local de 6,8% em 2020, levando o desemprego a 16,8% em março e mergulhando assim quase metade da população na informalidade e na pobreza, segundo cifras oficiais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade