Publicidade

Estado de Minas TEERÃ

Chanceler iraniano critica papel de Soleimani em áudio vazado pela mídia


27/04/2021 08:37

O presidente iraniano, Hasan Rohani, ordenou uma investigação depois do vazamento de uma gravação de áudio com declarações do chefe da diplomacia iraniana, Mohamad Javad Zarif, nas quais criticava o papel do falecido general Qassem Soleimani na política externa do país, informou nesta terça-feira (27) o porta-voz do governo, Ali Rabii.

"Acreditamos que este roubo de dados é uma conspiração contra o governo, o sistema, a integridade das instituições nacionais e também contra nossos interesses nacionais", disse Ali Rabii aos jornalistas.

"O presidente ordenou ao ministério da Inteligência que identifique os agentes desta conspiração", acrescentando que o conteúdo da entrevista foi "roubado por motivos óbvios", sem dar mais detalhes.

Veículos de comunicação estrangeiros, incluindo o jornal The New York Times, publicaram nos últimos dias o que afirmam ser trechos de uma gravação de uma conversa com o ministro das Relações Exteriores iraniano Mohamad Javad Zarif, sem informar como os obtiveram.

Segundo um trecho publicado pelo jornal americano, o ministro disse: "Na República Islâmica, o âmbito militar manda. Sacrifiquei a diplomacia pelo bem do campo militar", quando o "campo militar" deveria estar "a serviço da diplomacia".

Zarif não comentou a polêmica, mas publicou uma breve mensagem de áudio no Instagram nesta terça: "Acredito que vocês não deveriam trabalhar para a história... Não se preocupem tanto com a história, e sim com Deus e seu povo".

Na segunda-feira, o porta-voz do ministério das Relações Exteriores iraniano, Said Khatibzadeh, não negou a autenticidade da gravação, mas declarou que foi retirada de uma entrevista de sete horas que incluía "opiniões pessoais".

As declarações provocaram fortes críticas por parte dos veículos de comunicação e dos políticos conservadores, já que o caso do general Soleimani é um assunto delicado. Apelidado de "o homem do campo de batalha", Qassem Soleimani morreu em um ataque americano com drones, em Bagdá, em janeiro de 2020.

THE NEW YORK TIMES COMPANY


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade