Publicidade

Estado de Minas HONG KONG

Jornalista é condenada por investigar base de dados pública em Hong Kong


22/04/2021 10:56

Uma jornalista de Hong Kong foi condenada nesta quinta-feira (22) por investigar em uma base de dados pública os supostos autores de um ataque contra ativistas pró-democracia realizado por apoiadores do governo.

A condenação de Bao Choy -- jornalista do RTHK, grupo audiovisual independente financiado pelo governo de Hong Kong-- ocorre em um momento em que alguns consideram que a liberdade de imprensa está seriamente ameaçada, em meio a uma ofensiva contra a oposição após o grande desafio do movimento pró-democracia de 2019.

Choy, de 37 anos, foi condenada por um tribunal por fazer "uma declarção falsa deliberadamente", para conseguir acessar os registros de placas de automóveis.

"A população não tem o direito de obter qualquer documento sob esta legislação", disse a juíza Ivy Chui.

A jornalista enfrenta uma pena de prisão de seis meses e uma multa de 5.000 dólares de Hong Kong (530 euros, quase 640 dólares americanos).

Colegas e membros do sindicato de trabalhadores de RTHK se manifestaram em frente ao tribunal, erguendo cartazes que diziam: "o jornalismo não é um crime" e "quem quer que a população se mantenha na ignorância?".

"Apesar de ter sido declarada culpada, continuo acreditando que o jornalismo não é um crime e que investigar um arquivo não é um crime", disse a jornalista aos colegas.

A investigação nesta base de dados foi realizada no ano passado buscando elementos para um documentário do RTHK, "Who Owns The Truth?" ("quem é o dono da verdade?", em tradução livre), que fala sobre um ataque realizado em julho de 2019 contra manifestantes pró-democracia por homens armados com tacos de beisebol.

A polícia demorou para intervir e, posteriormente, tentou se justificar.

Para a reconstrução dos fatos, o RTHK coletou depoimentos, investigou placas de veículos e assistiu a vídeos de testemunhas e câmeras de vigilância.

Isso permitiu obter informação sobre os supostos agressores, alguns dos quais mantêm vínculos com comitês políticos pró-Pequim.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade