Publicidade

Estado de Minas SOLDEU

Começa a Cúpula Ibero-americana que busca vacinas para uma região afetada


21/04/2021 13:43 - atualizado 21/04/2021 13:49

A plenária da Cúpula Ibero-americana que busca mais acesso às vacinas e financiamento para a recuperação pós-covid para a América Latina começou nesta quarta-feira (21) em Andorra, em um momento em que a pandemia não dá trégua na região.

Devido à crise de saúde, a ampla maioria dos representantes dos 22 países do bloco de países latino-americanos e da península ibérica fará discursos virtuais na reunião em Soldeu, uma cidade deste pequeno estado europeu localizado entre Espanha e França.

Na sessão plenária, que começou com um minuto de silêncio pelas vítimas da covid-19, treze dos dezenove líderes latino-americanos participaram. Os presidentes do Brasil, El Salvador, México, Nicarágua, Paraguai e Venezuela não compareceram à cúpula.

Embora sua presença tenha sido confirmada em um primeiro momento, o venezuelano Nicolás Maduro será substituído pela sua vice-presidente Delcy Rodríguez, afirmou à AFP a secretária-geral ibero-americana, Rebeca Grynspan.

O possível discurso gerou polêmica, já que sua legitimidade é questionada por boa parte dos outros países participantes.

O cubano Miguel Díaz-Canel vai discursar, recém-eleito primeiro-secretário do Partido Comunista de Cuba, o cargo máximo do país.

Presencialmente estarão apenas os presidentes da Guatemala e República Dominicana, na qualidade de anfitriões da precedente e da próxima cúpula, assim como os chefes de Governo de Andorra, Portugal e Espanha, também representada pelo rei Felipe VI.

Um dos assuntos-chave desta reunião, que marca três décadas dos fóruns políticos ibero-americanos desde sua fundação em 1991, será o acesso às vacinas contra o coronavírus, cuja administração ainda é muito baixa na América Latina, com menos de 10% da população vacinada.

A desigualdade em sua distribuição desencadeou críticas de alguns líderes em eventos anteriores à cúpula.

"Um pequeno grupo de países tem todas as vacinas e a grande quantidade de países não tem acesso à vacina", disse na terça-feira o presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei.

"O sistema Covax foi um fracasso", afirmou Giammattei, referindo-se ao mecanismo implementado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para uma distribuição igualitária das vacinas, que sofreu atrasos e entregou somente três milhões de doses em uma América Latina com mais de 600 milhões de habitantes.

O primeiro-ministro espanhol, o socialista Pedro Sánchez, anunciou que seu país "doará, quando for possível, vacinas para a América Latina", mas sem especificar a quantidade de doses.

O papa Francisco pediu nesta quarta-feira aos líderes latino-americanos e da península ibérica que garantam uma "distribuição igualitária" das vacinas contra a covid-19 baseada nas necessidades de todos.

Em uma mensagem divulgada pelo Vaticano, o papa Francisco elogiou "as iniciativas que buscam criar novas formas de solidariedade a nível internacional, com mecanismos voltados para garantir uma distribuição igualitária das vacinas".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade