Publicidade

Estado de Minas MCINTOSH

Mudanças climáticas atiçam o fantasma do passado tóxico nos EUA


20/04/2021 09:44

As águas turvas do rio Tombigbee, no Alabama, correm por um terreno contaminado com mercúrio e um pesticida tão tóxico que as autoridades americanas o proibiram há décadas, um passado perigoso que pode causar ainda mais danos devido às mudanças climáticas.

Centenas dos locais mais contaminados dos Estados Unidos, como as duas indústrias químicas vizinhas no Tombigbee, estão ameaçados por tempestades, elevação dos níveis das águas, incêndios e outros fenômenos meteorológicos extremos que se intensificam com o aquecimento do planeta.

"Pode haver muito risco para nós", disse Darrell Wayne Moss, de 59 anos, que mora do outro lado da rua da vasta indústria química de Olin. "Dá medo".

Uma cerca alta, arrematada por arame farpado, protege as instalações - um conjunto parecido com um quebra-cabeça de tubulações, tanques de armazenamento, cubas metálicas brilhantes e barracões - com cartazes que advertem "PERIGO: ÁREA RESTRITA".

As instalações da Olin e a propriedade da vizinha fábrica da BASF fazem parte do programa americano Superfund, que supervisiona a limpeza dos piores depósitos de resíduos perigosos, instalações industriais e minas.

A fábrica da Ciba-Geigy Corp, que agora é propriedade da BASF, começou a fabricar o poderoso pesticida DDT na década de 1950, assim como outros produtos químicos industriais pesados. Os resíduos tóxicos eram lançados em fossas abertas e sem revestimento, algumas delas na planície de inundação do rio.

O DDT é um composto tóxico, cujo uso foi proibido nos Estados Unidos em 1972 devido aos riscos para a saúde das pessoas e dos animais, e porque permanece latente no meio ambiente por um tempo inusualmente longo.

À proibição do DDT atribui-se o mérito de ter contribuído para o ressurgimento do símbolo nacional dos Estados Unidos, a águia-careca, que lutou para se reproduzir após ter sido envenenada pelo pesticida.

- "Muito contaminado" -

Bem ao sul das instalações da Ciba fica a fábrica Olin, que lançou resíduos como mercúrio e DDT durante décadas até os anos 1970 em uma represa de 30 hectares perto do rio.

A presença do mercúrio é tão preocupante perto das duas fábricas que as autoridades estaduais advertiram as pessoas a não comer robalos pescados em certos trechos do Tombigbee porque podem ter concentrações pouco saudáveis do metal.

Cade Kistler, diretor de programas do grupo ambientalista Mobile Baykeeper, pilotou um dia um barco até os pântanos do rio, contaminados pelas substâncias tóxicas e explicou o risco climático.

"Quanto mais submersa estiver, maior a capacidade que estes contaminantes, como o DDT e outros, têm de sair ao leito e migrar rio abaixo até a baía de Mobile", disse, referindo-se ao principal corpo hídrico da costa sul do estado.

"Toda essa região estava muito contaminada", acrescentou.

A Olin não respondeu aos e-mails com pedidos de comentários e a BASF informou em um comunicado que "considera a proteção da saúde, a segurança e o meio ambiente" sua responsabilidade mais importante. "Nós nos comprometemos a operar as instalações de forma segura e responsável com o meio ambiente", disseram.

As indústrias químicas continuam operando nos dois locais.

Ciba e Olin estavam entre as 945 instalações do programa ambiental Superfund - cerca de 60% do total - que o Escritório de Responsabilidade do Governo (GAO, na sigla em inglês) descobriu em 2019 que estavam potencialmente em risco devido às mudanças climáticas.

O relatório pede à Agência de Proteção Ambiental (EPA), que administra o programa, que estude a possibilidade de reforçar as defesas dos locais.

Jim Woolford, que chefiou o escritório nacional de políticas do Superfund durante quase 14 anos até sua aposentadoria, em 2020, disse ser necessário revisar a resposta climática do programa.

"Seria uma reavaliação, se preferir, do que ocorrer nos últimos 40 anos", disse Woolford à AFP, referindo-se à antiguidade do programa. "Espero que a administração (do presidente Joe Biden) o faça, mas veremos".

- Décadas de limpeza -

Biden entrou no meio da crise climática com uma cúpula de líderes mundiais esta semana, na qual tentará reativar a cooperação internacional nesta área.

O evento ocorre meses depois do fim da presidência de Donald Trump, durante a qual, assinalou diplomaticamente Woolford, questões como as políticas climáticas do Superfund não estiveram na "primeira linha".

A diretora do projeto do Superfund para Ciba e Olin, Beth Walden, disse que há muito a limpar nos locais ao longo do rio e que estas áreas são uma preocupação com ou sem as mudanças climáticas.

A limpeza tem sido um processo lento, de décadas, e para o ex-funcionário da Ciba, Winston Barnes, é alarmante que os produtos químicos continuem no solo.

Ele se aposentou em 2013 após mais de quatro décadas de trabalho na fábrica, e mora a 1,5 km da cerca de Olin e sabe bem pelo seu trabalho como os resíduos são perigosos.

"Pensei que o tinham desenterrado. É preciso ter certa preocupação com o DDT porque é muito corrosivo", disse, sentando na varanda de sua casa. "Trabalhei para eles durante anos e havia me esquecido disso".

BASF


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade