Publicidade

Estado de Minas YANGON

Emissária da ONU fará viagem à Ásia devido à situação em Mianmar sem se reunir com a junta


09/04/2021 17:17

A emissária da ONU para Mianmar planeja uma viagem diplomáticapela Ásia para buscar uma saída para a crise desencadeada pelo golpe naquele país, mas não poderá se reunir com a junta militar que nesta sexta-feira(9) se opôs à sua visita.

A viagem de Christine Schraner Burgener ocorre em um contexto de crescente preocupação na comunidade internacional sobre a situação em Mianmar, cenário de manifestações diárias desde o golpe militar de 1º de fevereiro que derrubou o governo civil de Aung San Suu Kyi.

O saldo da repressão ultrapassou 600 mortos nesta sexta-feira, situação que levou o embaixador birmanês na ONU, Kyaw Moe Tun, a exigir mais sanções e medidas internacionais, como uma zona de exclusão aérea em seu país.

A diplomata suíça iniciou sua viagem pela Tailândia, embora também visite a China. Mas ela não será recebida em Mianmar, para onde solicita uma viagem há mais de dois meses para se reunir com os militares.

"Não permitimos isso. E não temos intenção de permitir agora", disse o porta-voz do conselho, Zaw Min Tun, à AFP nesta sexta-feira. Burgener confirmou que o conselho rejeitou sua audiência.

"Lamento que o Tatmadaw tenha me respondido ontem que eles não estão dispostos a me receber", ela tuitou, citando a autoridade do exército birmanês.

"Estou disposta a dialogar. A violência nunca leva a soluções duradouras", acrescentou ela, indicando que havia chegado a Bangkok.

Pelo menos 614 civis foram mortos desde 1º de fevereiro pelas forças de segurança na repressão às manifestações pró-democracia em Mianmar, de acordo com a Associação para Assistência a Presos Políticos (AAPP).

Mas o saldo pode ser muito pior: mais de 2.800 pessoas foram presas e muitas delas não são conhecidas.

Nesta sexta-feira de manhã, o sangue começou a ser derramado novamente. De acordo com socorristas, pelo menos quatro pessoas morreram quando as forças de segurança se lançaram contra barricadas de pessoas que protestavam contra o regime militar na cidade de Bago (também chamada de Pegu), cerca de 65 km a nordeste de Yangon.

A repressão não se limita ao interior do país. O embaixador birmanês em Londres, que apoia a ganhadora do Prêmio Nobel da Paz de 1991, Aung San Suu Kyi, foi afastado de seu cargo, uma decisão condenada pelo Reino Unido na quinta-feira, que, no entanto, teve que aceitá-la.

Londres indicou que ofereceria proteção a Kyaw Zwar Minn, cuja "coragem" foi reconhecida pelo secretário de Estado britânico de Relações Exteriores, Nigel Adams, que se reuniu com ele.

Os Estados Unidos anunciaram sanções contra uma empresa estatal de produção de pedras preciosas birmanesa, para privar a junta de uma receita importante.

- "Ação urgente" -

Por iniciativa do Reino Unido, o Conselho de Segurança da ONU realizou uma reunião informal nesta sexta-feira, na qual o embaixador birmanês, Kyaw Moe Tun, se rebelou contra a junta e pediu a imposição de uma zona de exclusão aérea, um embargo de armas e outras sanções para forçar a restauração da democracia.

"Agora é necessária uma ação urgente e mais enérgica de sua parte", disse o embaixador ao Conselho de Segurança, pedindo "uma zona de exclusão aérea" para "evitar mais derramamento de sangue causado por ataques aéreos militares em áreas civis".

Os Estados Unidos também exigiram ações urgentes para pressionar a junta militar.

"O Conselho discutirá a linguagem em outra declaração ou agiremos para salvar as vidas do povo birmanês?", questionou Linda Thomas-Greenfield, embaixadora dos EUA na ONU.

A reunião contou com a presença de Daw Zin Mar Aung, um membro civil eleito do parlamento birmanês, e um estudante universitário, Sai Sam Kham.

Daw Zin Mar Aung falaria em nome do grupo de resistência CRPH, o Comitê para a Representação de Pyidaungsu Hluttaw, o órgão legislativo birmanês.

O CRPH garante que já reuniu cerca de 270.000 elementos que mostram violações de direitos humanos em "grande escala".

Nesta semana, ele iniciou discussões com investigadores da ONU. A diretoria considera que responde proporcionalmente às manifestações.

Durante uma coletiva de imprensa organizada nesta sexta-feira na capital, Naipyidó, membros das forças de segurança mostraram as armas que disseram ter apreendido dos manifestantes.

O porta-voz da junta acusou profissionais de saúde de "matarem pessoas a sangue frio" ao se recusarem a trabalhar.

No contexto da mobilização pró-democracia, dezenas de milhares de trabalhadores estão em greve e setores inteiros da economia estão paralisados.

Quando assumiu o poder, a junta estabeleceu o estado de emergência por um ano.

O porta-voz, Zaw Min Tun, disse à CNN que a medida pode ser estendida por mais doze meses, garantindo, ao mesmo tempo, que seriam organizadas eleições.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade