Publicidade

Estado de Minas NIAMEY

Tentativa de golpe é contida no Níger às vésperas da posse do presidente


31/03/2021 11:46 - atualizado 31/03/2021 11:49

Um grupo de militares foi preso no Níger após uma "tentativa de golpe de Estado" - informou à AFP uma fonte das forças de segurança, segundo a qual a "situação está sob controle".

"Aconteceram detenções entre os poucos elementos do Exército que estão na origem da tentativa de golpe de Estado. Este grupo de militares não conseguiu se aproximar do palácio presidencial. A Guarda Presidencial respondeu", disse a fonte.

O governo do Níger confirmou a tentativa de golpe frustrado.

"Na madrugada de 30 para 31 de março, aconteceu uma tentativa de golpe de Estado", afirma um comunicado divulgado pelo governo, que "condena este ato covarde e retrógrado que pretende colocar em perigo a democracia e o Estado de direito, com os quais nosso país está resolutamente comprometido".

Moradores do bairro presidencial de Niamey contaram à AFP que foram acordados por tiros durante a noite.

A tentativa de golpe aconteceu dois dias antes da posse do novo presidente, Mohamed Bazoum, prevista para sexta-feira, em Niamey.

O presidente eleito é próximo do atual chefe de Estado, Mahamadou Issoufou.

Seu rival, o ex-presidente Mahamane Ousmane, não reconheceu os resultados das eleições e reivindicou a vitória. Ele convocou "protestos pacíficos" em todo país.

A história do Níger, país que conquistou a independência da França em 1960 e está entre os mais pobres do mundo, é marcada por quatro golpes de Estado. O primeiro deles foi em abril de 1974 contra o presidente Diori Hamani, e o mais recente, em fevereiro de 2010, que derrubou o presidente Mahamadou Tandja.

A transferência de poder entre Issoufou e Bazoum prevista para sexta-feira é a primeira entre dois presidentes eleitos democraticamente.

A primeira tarefa de Mohamed Bazoum será enfrentar os ataques extremistas de grupos vinculados à Al-Qaeda e ao Estado Islâmico (EI) no oeste do país, fronteiriço com Mali e Burkina Faso, e do movimento nigeriano Boko Haram no leste, na fronteira com a Nigéria.

O ataque mais recente de grande envergadura aconteceu em 21 de março, na região de Tahoua, e deixou 141 mortos.

Desde o início de 2021, os ataques extremistas mataram mais de 300 civis, especialmente no oeste do país.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade