Publicidade

Estado de Minas MIAMI

EUA investigam aumento alarmante de mortes de peixes-boi na Flórida


25/03/2021 21:59

As autoridades federais dos Estados Unidos estão investigando um aumento alarmante nas mortes de peixes-boi na Flórida, depois que carcaças de mais de 500 exemplares desses dóceis mamíferos marinhos foram encontradas até agora este ano - 349 a mais do que aqueles que morreram em todo o ano de 2020.

De 1º de janeiro a 19 de março, 539 peixes-boi foram encontrados mortos nas águas da Flórida, de acordo com a Comissão de Conservação de Peixes e Vida Selvagem da Flórida (FWS). É quase o mesmo número de peixes-boi que todos os mortos nos três anos anteriores. A média anual de mortes é de 175.

Em um comunicado na quarta-feira, a FWS relatou que a situação alarmante foi classificada como um "Evento de Mortalidade Incomum" (UME) e que "informações preliminares indicam que uma redução na disponibilidade de alimentos é um fator contribuinte."

De acordo com a Oceanic and Atmospheric Association, uma UME "implica uma morte significativa de qualquer população de mamíferos marinhos e requer uma resposta imediata."

Muitos foram encontrados em estado de desnutrição na costa atlântica central e sul da Flórida.

"As avaliações iniciais indicam que o alto número de peixes-boi raquíticos é provavelmente devido a uma diminuição na disponibilidade de alimentos. A cobertura de algas e macroalgas nesta região e especificamente na Lagoa do Rio Indiano (na costa leste) diminuiu significativamente", indicou a FWS.

A poluição das águas, que tem produzido um excesso de florações de algas, impede que o sol alcance as ervas marinhas, que acabam morrendo.

Sensíveis ao frio, nos meses de inverno os peixes-boi se reúnem em grande número nas águas rasas de rios e deltas, próximos à costa, em busca de um ambiente mais quente. Durante este período, eles dependem das algas do fundo do mar para sua subsistência.

- "Caso isolado" -

A população de peixes-boi na Flórida é estimada em cerca de 7.500, de acordo com a FWS, portanto, essa taxa de mortalidade não pode ser sustentada por muito tempo.

Larry Killmar, diretor zoológico do Zoológico de Tampa em Lowry Park, na costa oeste da Flórida, e lar de um Centro de Cuidados Intensivos para Peixes-boi, acredita que esse excesso de mortalidade parece ser "um caso isolado".

"Não podemos dizer com certeza que toda a população de peixes-boi está em risco. Precisamos que a ciência nos diga o que está acontecendo", afirmou ele à AFP.

"Esse tipo de evento significa que há uma ação negativa repentina dentro de uma população que provavelmente está isolada e que afeta a população imediata de animais naquele local."

Em maio de 2017, logo após a posse do ex-presidente Donald Trump, as autoridades federais reclassificaram os peixes-boi de espécie em extinção para espécie ameaçada, uma classificação que reduz o nível de proteção.

Além do fenômeno que está sendo investigado na lagoa de Indian River, esses gentis mamíferos sofrem com muitas outras ameaças. Entre eles, estão as pessoas que pilotam lanchas ou jet skis em águas fluviais ou costeiras e colidem com os peixes-boi que sobem à superfície para respirar.

Em 2019, 19% das mortes dessa espécie ocorreram devido a colisões com veículos aquáticos. Em 2020, quando a pandemia reduziu o turismo, esse número caiu para 10%.

A Flórida não exige uma licença para navegação. Os proprietários só precisam concluir um curso, que não inclui muita educação sobre a vida selvagem.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade