Publicidade

Estado de Minas WINDSOR

Australianos isolados por inundações são resgatados de lancha e helicóptero


23/03/2021 08:30

Helicópteros militares, motos aquáticas e barcos infláveis foram mobilizados nesta terça-feira (23) para resgatar pessoas presas por inundações "catastróficas" ao longo da populosa costa leste da Austrália, onde já há milhares de desabrigados e casas danificadas.

As inundações atingiram Nova Gales do Sul, o estado mais populoso do país por uma semana, fazendo rios transbordarem. Milhares de casas foram destruídas.

Depois de lutar, há um ano, contra uma seca sem precedentes e incêndios florestais arrasadores, agora os serviços de emergência resgatam pessoas com aviões militares e botes salva-vidas, que costumam ser usados no mar, para chegar às zonas mais remotas.

Cerca de 850 pessoas já foram transportadas de helicóptero, e dezenas de milhares de moradores foram convidados a deixar a área, à medida que as tempestades se estendem para o interior do país.

Na cidade de Windsor, ao noroeste de Sydney, os moradores se deslocavam em motos aquáticas, pranchas de surfe e remos em meio a uma torrente de destroços.

Em algumas áreas da costa, o nível de precipitação atingiu até mil milímetros em uma semana, o que equivale a dois terços dos registros anuais normais.

- "Nunca vimos nada assim" -

"Nunca vimos nada assim", disse Jodie Sallustio, de 50 anos, que está desde sexta-feira presa pelas águas na casa de seu parceiro em Port Macquarie, uma cidade ao norte de Sydney.

Cerca de 18.000 pessoas já foram evacuadas em Nova Gales do Sul. Segundo sua primeira-ministra, Gladys Berejiklian, as tempestades estão "afetando uma grande parte do estado".

As inundações são "catastróficas e o fato de que 15.000 pessoas terão de ser evacuadas nas próximas 24h a 48 horas é uma grande preocupação", afirmou.

Em algumas partes do estado, os moradores começaram a limpar as ruas, mas os meteorologistas temem que a chuva continue por vários dias. De qualquer modo, uma trégua é esperada para amanhã, quarta-feira.

Milhares de moradores ainda estão sem luz, e os fornecedores de energia alertaram que não se espera a restauração em algumas áreas até o final desta semana.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse que a represa de Warragamba, a principal fonte de água potável de Sydney, deve continuar despejando água em rios já avolumados por mais uma semana.

"Este é um fenômeno meteorológico cada vez mais complexo", disse ele a repórteres em Camberra.

Os serviços de emergência responderam a mais de 10.000 pedidos de ajuda.

Até agora, não há registro de mortos, nem de feridos graves, mas milhares de casas e empresas foram danificadas.

Segundo Andrew Hall, diretor do órgão que representa as seguradoras na Austrália, 11,7 mil demandas já foram protocoladas, e "mais" são esperados nos próximos dias.

O fazendeiro Rod Bailey disse que sua fazenda perto da cidade de Port Macquarie foi "totalmente devastada" e que pelo menos 95% de suas plantações foram destruídas por fortes chuvas.

"Não teremos renda nos próximos três meses", disse ele à AFP.

"Estamos em uma situação difícil, mas muitos de nossos vizinhos estão em uma situação muito pior", acrescentou.

Cientistas advertiram que é provável que a Austrália seja especialmente propensa aos fenômenos climáticos extremos, devido ao aquecimento global.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade