Publicidade

Estado de Minas CARACAS

Venezuela enfrenta preocupante segunda onda de covid-19


22/03/2021 18:24 - atualizado 22/03/2021 18:25

Novo confinamento, números em alta, hospitais e clínicas lotados: a Venezuela enfrenta uma segunda onda de coronavírus que parece mais forte que a primeira e que preocupa tanto as autoridades quanto os profissionais da saúde.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou no domingo à noite um confinamento de duas semanas após meses de flexibilização, que vai abranger a Semana Santa, um feriado importante neste país sul-americano.

"Fazemos isso pela saúde da família, pela saúde do nosso povo", justificou o presidente.

Caracas amanheceu com mais presença policial e postos de controle foram instalados em avenidas e rodovias para restringir a passagem, mas os comércios continuaram abertos e as pessoas transitavam pelas ruas com relativa normalidade.

A segunda onda é "muito mais virulenta do que nos meses de agosto e setembro de 2020", disse na sexta-feira a vice-presidente, Delcy Rodríguez, destacando que o aumento corresponde à aparição da variante brasileira do vírus no país.

- "Exponencial" -

A Venezuela estava intercalando uma semana "radical" - na qual se restringe a circulação e apenas comércios essenciais podem abrir - com uma "flexível", na qual é permitido sair.

O novo confinamento "me afeta financeiramente, mas a saúde vem em primeiro lugar", declarou Lercy Rodríguez, uma cabeleireira que abriu seu salão pela manhã. "Eu conheço muitas pessoas que morreram."

"É difícil", disse Zourith Willegas, mãe de dois filhos que vende doces na rua. "Se você não sai para trabalhar, como você vai levar pão para casa para seus filhos?".

Segundo o governo, o país de 30 milhões de habitantes supera os 151.000 casos confirmados e 1.500 mortes de covid-19. Enquanto em dezembro e janeiro registrava entre 200 e 500 novos casos por dia, em março esses números dispararam, superando a barreira dos 500 e chegando a 937 em 19 de março e 1.161 um dia depois.

Os números oficiais são questionados pela oposição e por ONGs, que denunciam que escondem um elevado subregistro em meio a um limitado acesso aos testes de diagnóstico PCR.

Maduro informou que "a ocupação nos leitos hospitalares está aumentando", sem fornecer números. Testemunhas falam de hospitais públicos lotados.

No setor privado, a situação também é preocupante.

"No dia de hoje, temos ocupação completa" no pavilhão covid, explicou à AFP o doutor Herman Scholtz, presidente do Centro Médico Docente La Trinidad, uma das clínicas mais renomadas de Caracas.

"Em dezembro, atendemos na emergência 55 pacientes, no mês de janeiro aumentou para 100, em fevereiro para 170. Na primeira semana de março, atendemos 140 pacientes", acrescentou Scholtz.

"É exponencial. Das 11 clínicas privadas de Caracas, tivemos 100% de ocupação em terapia intensiva (UTI)", continuou. "O número de pacientes aumentou e os casos são mais graves".

Scholtz explicou que "o uso de oxigênio triplicou". "O fluxo normal de recarga era uma vez por mês, atualmente está sendo feito uma vez a cada cinco dias."

O médico revelou ainda que o abastecimento de medicamentos e insumos deixou de ser um problema, como acontecia há alguns meses neste país atingido por sanções econômicas aplicadas pelos Estados Unidos.

A hospitalização em instalações privadas custa entre 1.000 e 3.000 dólares por dia. Esta é uma quantia que apenas a população rica com seguro saúde pode pagar, embora a clínica atenda alguns pacientes "de graça".

- "Deter o vírus" -

O governo lançou um plano de vacinação em fevereiro com vacinas russas e chinesas. O país também receberá 60.000 doses da vacina de Cuba, seu aliado mais próximo.

Enquanto isso, o líder da oposição, Juan Guaidó, reconhecido como o presidente interino pelos Estados Unidos e outros cinquenta países, anunciou a liberação de 30 milhões de dólares de fundos congelados no exterior pelas sanções e sob seu controle para acesso às vacinas do sistema Covax.

Por meio desse mecanismo da Organização Mundial da Saúde (OMS), a Venezuela reservou entre 1,4 e 2,4 milhões de doses da AstraZeneca, vacina que as autoridades do país se recusam a aprovar por seus possíveis efeitos colaterais.

"Esta é a melhor oportunidade que temos até agora para conseguir parar o vírus", disse Guaidó na última sexta-feira. "Faremos todos os esforços para obter esta vacina de forma eficiente e rápida".

Nas ruas, a polícia realiza operações em favelas para garantir o cumprimento do confinamento.

"A variante brasileira está nos obrigando a ir ao ponto zero", alertou Maduro. "O fator multiplicador é o relaxamento das medidas de prevenção", continuou, denunciando que no sábado foram identificadas diversas "rumbas (festas)" em várias cidades.

É"impressionante, rumba aqui, rumba ali", lamentou.

ASTRAZENECA


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade