Publicidade

Estado de Minas MILÃO

Primeira greve dos trabalhadores da Amazon na Itália


22/03/2021 16:26 - atualizado 22/03/2021 16:26

Os 9.500 funcionários na Itália da gigante americana de comércio eletrônico Amazon foram convocados a aderir uma greve de 24 horas nesta segunda-feira (22), para pedir melhores condições de trabalho em um contexto econômico marcado pela pandemia do coronavírus.

Melhores condições de trabalho, amenização da enorme carga de trabalho, maior segurança, cumprimento das normas sanitárias, pagamento de uma "indenização por covid" e aumentos salariais, são algumas das reivindicações apresentadas pelos trabalhadores por meio dos três maiores sindicatos do país - Cgil, Cisl e Uil.

A participação dos trabalhadores foi "de 75% em média, com 90% em alguns setores", asseguraram no meio do dia os três sindicatos.

A encarregada italiana da Amazon, Mariangela Marseglia, antecipou em carta pública que a empresa "continua trabalhando como sempre" e que "o percentual de adesão à greve foi inferior a 10%, enquanto foi de 20% nas empresas de prestação de serviços de entrega", escreveu.

Marseglia informou que a empresa respeita os direitos dos trabalhadores de "manifestar sua própria posição" e assegurou que os salários da Amazon na Itália estão entre os mais elevados do setor.

"Os funcionários estão exaustos", especialmente os motoristas que "entregam de 180 a 200 pacotes por dia", denunciaram os sindicatos em um comunicado conjunto.

Este é um movimento sem precedentes para a filial italiana da Amazon, uma das empresas mais poderosas do mundo.

Os clientes da Amazon são convidados a apoiar os funcionários em greve e parar de fazer compras na plataforma nesta segunda-feira, conforme proposto pela associação de consumidores Federconsumatori.

"Como é possível que a empresa do homem mais rico do mundo (Jeff Bezos) não respeite os direitos fundamentais dos trabalhadores?", reclamou Nicola Fratoianni, secretário nacional do partido de esquerda Sinistra Italiana, que apoia a greve e clama para que a colossal riqueza da Amazon seja melhor distribuída entre seus trabalhadores.

Devido ao confinamento imposto para conter a pandemia do coronavírus e ao fechamento de lojas não essenciais, as vendas da gigante americana em todo o mundo dispararam.

A Amazon superou pela primeira vez em sua história os 100 bilhões de dólares faturados no trimestre e dobrou seu lucro no quarto trimestre de 2020, com 7,2 bilhões de dólares.

A Amazon contratou 2.600 pessoas na Itália somente em 2020 e afirma ter investido mais de 5,8 bilhões de euros (US $ 6,9 bilhões) desde que entrou na península há dez anos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade