Publicidade

Estado de Minas GENEBRA

ONU denuncia esforços na Síria para esconder violações aos direitos dos detidos


01/03/2021 12:38

O governo sírio, assim como as facções em guerra nesse país, estão mais preocupadas em encobrir os "sofrimentos inimagináveis" infligidos em centros de detenção do que em identificar os responsáveis, de acordo com um relatório da ONU publicado nesta segunda-feira (1).

"Após 10 anos de guerra, dezenas de milhares de civis detidos arbitrariamente na Síria desapareceram, e mais outros milhares foram submetidos a torturas, violências sexuais ou morreram em cativeiro", diz o relatório da Comissão de Investigação da ONU sobre a Síria.

"Parece que o foco da atenção está voltado para as formas de encobrir, em vez de investigar os crimes cometidos nos centros de detenção", apontou Karen Koning AbuZayd, uma das três comissárias responsáveis por este relatório, citada em um comunicado.

Este documento, solicitado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, fornece uma quantidade de relatos sobre atrocidades cometidas: um menino de 14 anos com o corpo azul de tanto ter sido agredido, sangrando pelos ouvidos, olhos e nariz antes de desmaiar por causa de um golpe com um fuzil na cabeça, ou uma jovem estuprada por membros de forças do governo, para a qual "o mais difícil é a dor emocional".

O relatório se apoia em 2.500 entrevistas realizadas durante um período de 10 anos e investigações em cerca de 100 centros de detenção, e envolve "todas as partes que mantiveram algum controle no território sírio desde 2011".

A comissão de investigação destaca principalmente até que ponto "as detenções arbitrárias e as prisões foram ao mesmo tempo uma causa, um resultado e uma prática ininterrupta durante o conflito sírio".

Todas essas violações aos direitos humanos "ocorreram com pleno conhecimiento e acordo dos governos que apoiam as diferentes facções que fizeram parte do conflito", conclui o relatório, que pede o fim desta situação.

O relatório será apresentado ao Conselho dos Direitos Humanos em 11 de março.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade