Publicidade

Estado de Minas YANGON

Primeira vítima da repressão é enterrada em Mianmar e violência continua


21/02/2021 17:16 - atualizado 21/02/2021 17:19

Mianmar homenageou, neste domingo (21), a primeira vítima da repressão militar, uma jovem de 20 anos que se tornou ícone da resistência ao golpe de Estado, objeto mais uma vez de manifestações, apesar da letal violência da polícia.

O enterro de Mya Thwate Thwate Khaing, baleada em 9 de fevereiro e falecida dias depois, aconteceu nos arredores da capital, Naipyidó, na presença de milhares de pessoas.

Com três dedos erguidos em sinal de resistência ante a passagem do cortejo fúnebre, a multidão gritou "Abaixo a ditadura" e "Lutaremos até a vitória", até se dispersar silenciosamente.

A escalada de tensões levou a novas sanções internacionais, as quais o Ministério birmanês das Relações Exteriores condenou neste domingo. De acordo com nota divulgada pela pasta, trata-se de "flagrante ingerência" nos assuntos internos do país.

"Apesar das manifestações ilegais, das incitações a confrontos e da violência, as autoridades [birmanesas] demonstram a maior prudência, recorrendo o mínimo possível à força para enfrentar os distúrbios", afirmou o Ministério no mesmo comunicado.

- Feridos a bala -

Quase três semanas depois do golpe militar de 1º de fevereiro, a mobilização a favor da democracia se mantém em todo país, tanto nas grandes cidades quanto nas áreas rurais.

"Estamos dispuestos a perder la vida. Lucharemos hasta el final", afirmó un manifestante de 26 años en Rangún, la capital económica.

Milhares de manifestantes marcharam perto do campus universitário principal de Yangon, neste domingo, assim como em Mandalay, palco da repressão mais severa desde o golpe de sábado.

Nesta cidade do centro do país, a polícia disparou contra manifestantes que foram apoiar os trabalhadores de um estaleiro em greve, causando a morte de duas pessoas e deixando 30 feridos.

"Duas pessoas foram mortas, incluindo um menor que foi baleado na cabeça", e cerca de 30 ficaram feridas, disse Hlaing Min Oo, chefe de uma equipe de socorristas voluntários.

"Metade das vítimas foi atingida por munição real", acrescentou Hlaing Min Oo.

Médicos que trabalham no terreno, e que não quiseram revelar sua identidade por temor de represálias, confirmaram que foram usadas balas de verdade.

Mais de dez pessoas foram presas, segundo a imprensa local.

O jornal estatal "Global New Light of Myanmar" não mencionou as vítimas e culpou os manifestantes por seu comportamento "agressivo". Disse ainda que três soldados e oito policiais ficaram feridos.

No sábado, um homem de 30 anos morreu em Yangon, quando fazia uma ronda perto de sua casa, como parte de uma iniciativa de cidadãos para evitar a prisão noturna de oponentes do regime.

"A polícia o matou", disse sua cunhada.

A televisão estatal confirmou sua morte, informando que 20 pessoas atacaram um veículo policial e que a polícia fez disparos de advertência para dispersá-los.

A junta informou, por sua vez, a morte de um policial no início da semana.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou no sábado "o uso de força letal" em Mianmar, em reação às duas mortes em Mandalay.

Os ministros das Relações Exteriores da União Europeia (UE) devem se reunir nesta segunda-feira para discutir possíveis sanções.

Medidas coercitivas contra os generais, como as anunciadas por Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, não serão suficientes, advertiram várias ONGs, que pedem a punição dos grandes conglomerados controlados pelos militares.

Aliados tradicionais do Exército birmanês nas Nações Unidas, China e Rússia consideram que se trata de "um assunto interno" do país.

- Detenções -

As forças de segurança do país intensificaram a repressão às manifestações em massa - em geral, pacíficas -, que pedem o retorno da líder civil deposta Aung San Suu Kyi. Ela e vários de seus principais aliados políticos estão presos desde o golpe militar de 1o de fevereiro.

Cerca de 640 pessoas - líderes políticos, ativistas, ou grevistas - foram presas desde esse dia, e apenas um grupo de cerca de 40 foi solto, de acordo com uma ONG que assessora presos políticos.

Neste domingo, as autoridades cortaram a conexão com a internet pelo oitavo dia consecutivo. Segundo a embaixada dos EUA, desta vez os cortes podem durar até segunda-feira ao meio-dia em Yangon, mais do que o habitual.

O Facebook encerrou a conta da junta militar denominada "True News" (Notícias Verdadeiras), ao considerar que incitava a violência. De acordo com uma porta-voz da rede social, houve "repetidas violações dos padrões de nossa comunidade, os quais proíbem incitação à violência e danos coordenados".

Os militares justificaram o golpe de Estado afirmando que houve uma fraude nas eleições legislativas de novembro, vencida pelo partido de Suu Kyi por uma maioria esmagadora, e prometeram novas eleições dentro de um ano.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade