Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Senadores dos EUA apresentam resolução em apoio ao Movimento San Isidro de Cuba


09/02/2021 18:25

Senadores dos Estados Unidos apresentaram uma resolução em apoio ao Movimento San Isidro de Cuba (MSI) que exige liberdade de expressão na ilha caribenha, exortando as autoridades cubanas a "um diálogo significativo" com ativistas, relataram os legisladores na terça-feira (9).

O texto, apoiado por democratas e republicanos, pede a "libertação imediata" de artistas e ativistas que permanecem detidos, condena o que se considera uma escalada de ataques contra as liberdades artísticas em Cuba e pede a revogação das leis que violam a liberdade de expressão.

A iniciativa é patrocinada pelo democrata Bob Menéndez, presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, e pelo republicano Marco Rubio, ambos descendentes de cubanos que vieram para os Estados Unidos antes da revolução de Fidel Castro em 1959, que estabeleceu um governo comunista na ilha.

"As imagens do próprio Ministro da Cultura do regime atacando fisicamente os membros do Movimento San Isidro deixam uma coisa clara para o mundo: o povo cubano continua a ser violentamente reprimido e preso", disse Menéndez em um comunicado.

"Peço aos meus homólogos da Europa, Canadá e América Latina que se juntem a nós no esclarecimento desta situação condenável e na defesa dos valores democráticos em Cuba", acrescentou.

Por seu lado, Rubio denunciou "a última onda de repressão da ditadura cubana contra o povo cubano".

A resolução também foi apresentada pelos senadores democratas Dick Durbin e Ben Cardin, ambos a favor da histórica reaproximação de Washington com Havana, promovida pelo ex-presidente Barack Obama e posteriormente revertida por seu sucessor Donald Trump.

O MSI reúne artistas que reivindicam mais liberdade de expressão. O coletivo foi criado na Havana Velha em 2018, em resposta a um polêmico decreto oficial que obriga os artistas a se profissionalizarem e se vincularem ao Ministério da Cultura. A norma foi fortemente criticada por organizações internacionais de direitos humanos.

Em novembro, um dos integrantes do MSI, o rapper Denis Solís González, foi condenado a oito meses de prisão por "desacato" à autoridade. Outros membros do grupo também foram presos, mas posteriormente libertados.

Em 27 de janeiro, dois meses após a histórica mobilização por mais liberdade de expressão, membros do MSI e outros ativistas se reuniram em frente à sede do Ministério da Cultura em Havana para reiniciar o diálogo com as autoridades, que foi suspenso em dezembro.

O governo cubano considerou a manifestação um "show da mídia".

Em um vídeo postado pelos ativistas no Twitter, o ministro da Cultura, Alpidio Alonso, é visto batendo na mão e arrebatando violentamente o telefone de um manifestante que o estava filmando, pouco antes de serem despejados.

Porta-vozes da MSI denunciaram que muitos ativistas estão sob constante vigilância do governo em suas casas.

Twitter


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade