Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

General reformado Lloyd Austin se torna primeiro chefe negro do Pentágono


22/01/2021 17:07 - atualizado 22/01/2021 17:19

O Senado americano confirmou o general Lloyd Austin como secretário da Defesa dos Estados Unidos nesta sexta-feira (22), tornando-se o primeiro afro-americano a dirigir o Pentágono.

O novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, agradeceu ao Senado pela "rápida confirmação". "Não há dúvida de que ele é a pessoa certa para liderar o Departamento de Defesa neste momento", tuitou.

Austin, de 67 anos, é o segundo membro do governo Biden a receber sinal verde do Senado, depois da diretora de Inteligência Nacional, Avril Haines.

"É uma honra e um privilégio servir como 28º Secretário de Defesa de nosso país, e estou especialmente orgulhoso de ser o primeiro afro-americano a servir", Austin postou imediatamente. "Agora, para o trabalho".

O ex-general foi imediatamente ao Pentágono para se encontrar com o chefe do Estado-Maior Conjunto, General Mark Milley, e vários oficiais civis e militares, informou o departamento.

A sua primeira ligação telefônica seria com o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, à tarde.

A nomeação do ex-general do Exército, que lutou no Iraque e no Afeganistão antes de se tornar o primeiro homem negro a liderar o Comando Central do Exército dos EUA (Centcom), foi aprovada no Senado por 93 votos a 2.

Na véspera, as duas casas do Congresso haviam concedido isenção ao general aposentado desde 2016, pois a regulamentação atual estipula que um ex-militar deve ser aposentado por mais de sete anos para se tornar secretário da Defesa.

Desde a adoção em 1947 desta regra destinada a assegurar um controle civil rígido sobre as forças armadas, apenas duas isenções foram aprovadas: a primeira em 1950 para George Marshall, que acabara de implementar seu plano homônimo de reconstruir a Europa, e a segunda para Jim Mattis em 2016.

- Pandemia na mira -

Austin se comprometeu a lutar contra o extremismo nas forças armadas dos EUA, após a participação de militares em roupas civis no ataque ao Capitólio por partidários do ex-presidente Donald Trump.

"Farei todo o possível para nos livrar de nossas fileiras de racistas e extremistas", disse ele ao Comitê do Senado para as Forças Armadas na terça-feira.

Doze membros da Guarda Nacional foram removidos do aparato de segurança da cerimônia de posse de Biden como parte de um procedimento para buscar possíveis ligações com grupos extremistas.

Mas Austin também prometeu fazer do combate à pandemia do covid-19 sua primeira prioridade.

"Ele já matou mais de 400.000 americanos. É realmente uma grande, grande perda de vidas", disse ele, dizendo que o Pentágono poderia fazer mais para combater a doença.

Austin disse aos legisladores que pretendia revisar as retiradas lideradas por Trump da Alemanha e da Somália, mas apoiou a saída do Afeganistão.

"Este conflito deve ter um fim. Precisamos chegar a um acordo", disse ele, considerando preferível "nos concentrarmos nas operações de antiterrorismo no futuro".

Formado pela prestigiosa Academia Militar de West Point, o General Austin se aposentou em 2016, antes de entrar na indústria de defesa como muitos de seus antecessores.

Ele era um membro específico do conselho de diretores da Raytheon Technologies, mas prometeu se retirar de qualquer decisão envolvendo seu antigo empregador.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade