Publicidade

Estado de Minas NOVA YORK

Bolsas mundiais, com Wall Street à frente, fecham em alta com posse de Biden


20/01/2021 20:38 - atualizado 20/01/2021 21:43

As principais bolsas do mundo, com Wall Street à frente, subiram nesta quarta-feira (20) com a posse de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos, impulsionadas pelas medidas de estímulo propostas pelo novo presidente para enfrentar as consequências do novo coronavírus.

A bolsa de Nova York alcançou novos recordes nesta quarta-feira.

O Dow Jones Industrial Average subiu 0,83%, a 31.188,38 pontos; Nasdaq - impulsionado sobretudo pela Netflix -, subiu 1,97%, a 13.457,25 unidades; e o S&P; 500 acumulou 1,39%, a 3.851,85 pontos.

"Em geral, este é um mercado que cresce pelo otimismo de que um maior gasto público impulsione a economia e leve a maiores lucros" das empresas, disse Art Hogan, da National Securities, sobre a bolsa nova-iorquina.

Em Wall Street, a Netflix subiu quase 17% após anunciar na noite de terça-feira que seu número de assinantes superou os 200 milhões em todo o mundo ao final do ano passado. Além disso, o grupo informou que planeja uma recompra de ações, uma medida que empurrou para cima suas ações em Wall Street.

Na Europa, Frankfurt subiu quase 0,8%, Paris fechou em alta de 0,5%, e Londres avançou 0,4%.

A Ásia teve uma sessão positiva no começo do dia.

Mas no fechamento, o Nikkei 225 caiu 0,4%, a 28,523.26, enquanto o Hang Seng de Hong Kong subiu 1%, a 29,962.47 e a bolsa de Xangai subiu um modesto 0,5%, a 3,583.09 pontos.

O euro se depreciou perante o dólar, diante da preocupação com a crise política italiana e à espera das decisões sobre as taxas de juros do Banco Central Europeu.

"Os mercados europeus (estão) reagindo com otimismo, pois a posse de Joe Biden significa o fim de um período de quatro anos marcados pelo Brexit e a incerteza no comércio mundial", disse o analista do IG, Joshua Mahony.

"Com (o ex-presidente Donald) Trump e a perspectiva das negociações do Brexit no retrovisor, os mercados esperam quatro anos de maior estabilidade e menor incerteza", acrescentou.

"A nova administração busca começar com planos muito ambiciosos para lutar contra a pandemia e os danos econômicos que causou", disse Craig Erlam, analista na Oanda.

Na terça-feira, a secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, esteve perante os senadores durante sua sessão de confirmação e pediu a eles para aprovarem o novo pacote de gastos da administração americana para enfrentar a crise, de US$ 1,9 trilhão.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade