Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Trump enfrenta segundo processo de impeachment inédito


13/01/2021 21:45

O presidente americano, Donald Trump, foi acusado nesta quarta-feira no Congresso, em um segundo processo de julgamento político, uma semana antes do fim de seu mandato, que será concluído em um clima de extrema tensão.

A Câmara dos Representantes aprovou hoje o procedimento, acusando o presidente de incentivar a invasão ao Capitólio, sede do Congresso, na semana passada. O Senado não deve celebrar o julgamento antes de 20 de janeiro, quando o democrata Joe Biden assumirá a presidência, o que significa que o magnata do setor imobiliário se livrará do risco de ter que deixar o cargo antecipadamente.

Trump, no entanto, encerrará seu mandato com desonra, e enfrentará, depois, o julgamento no Senado. Se for condenado, provavelmente será impedido de disputar a presidência novamente em 2024. "Donald Trump merecidamente se tornou o primeiro presidente da História americana com a mácula de enfrentar o impeachment duas vezes", disse o senador democrata Chuck Schumer, que se tornará líder da Câmara alta em uma semana.

Na Câmara dos Representantes, a pergunta era apenas quantos republicanos haviam se unido à maioria democrata na votação por 232 a 197. Na contagem final, dez republicanos romperam com suas fileiras, inclusive a número três do partido na casa, Liz Cheney, filha do ex-vice-presidente Dick Cheney.

Com Washington sob tensão sete dias após o ataque ao Capitólio, Trump pediu calma. "Insisto para que NÃO haja violência, NÃO sejam cometidos delitos e NÃO haja vandalismo de nenhum tipo. Isso não é o que eu defendo, nem tampouco o que os Estados Unidos defendem", afirmou em um comunicado emitido pela Casa Branca.

"Hoje, de forma bipartidária, a Câmara mostrou que ninguém está acima da lei, nem mesmo o presidente dos Estados Unidos", declarou a presidente da casa, Nancy Pelosi, democrata. Antes, ela havia acusado Trump de ter incitado uma "rebelião armada" ao pedir votos pela sua deposição.

"O presidente dos Estados Unidos incitou esta insurreição, esta rebelião armada", declarou a líder democrata antes da votação da acusação formal pelo ataque ao Capitólio que deixou cinco mortos e chocou o mundo. "Deve partir. É um perigo claro e presente para a nação que todos amamos", disse ela em um Congresso entrincheirado.

A sete dias da posse de Joe Biden, Washington, sob um forte esquema de segurança, estava irreconhecível.

- Militares no Capitólio -

As imagens eram impactantes: dezenas de militares da reserva passaram a noite dentro do Congresso. Muitos dormiam no chão das salas e corredores.

Blocos de concreto separavam os cruzamentos principais do centro da cidade; enormes barreiras de metal cercavam prédios federais, incluindo a Casa Branca, e a Guarda Nacional estava por todos os lados.

Os debates na Câmara dos Representantes começaram às 9h locais (11h de Brasília) e a votação do impeachment, às 15h locais (17h de Brasília). Seu resultado marcou a abertura formal do processo de impeachment contra o 45º presidente americano.

As intervenções dos congressistas foram enérgicas. Trump é um "tirano", lançou a democrata Ilhan Omar. "Não podemos virar a página sem fazer nada", disse ela.

A republicana Nancy Mace afirmou que o Congresso deveria exigir que o presidente fosse responsabilizado por suas ações, mas considerou irresponsável agir de "forma precipitada".

Havia nuances nos discursos dos republicanos. O líder desse bloco na Câmara, Kevin McCarthy, reconheceu que Trump tem "responsabilidade" pelos distúrbios, mas considerou um erro submetê-lo a um impeachment em um curto espaço de tempo. Em vez disso, propôs uma declaração de "censura", que na prática tem um efeito basicamente simbólico.

Cada vez mais isolado, o tempestuoso presidente tentou ontem minimizar o procedimento contra ele, descrevendo-o como uma "continuação da maior caça às bruxas da história política". Também se negou a assumir qualquer responsabilidade pela invasão do Capitólio, afirmando que seu discurso que antecedeu o ocorrido foi "totalmente apropriado".

Dias antes de partir para sua residência em Mar-a-Lago, Flórida, onde sua nova vida como "ex-presidente" deve começar, o magnata republicano parecia cada vez mais desconectado do que está acontecendo na capital americana.

Nenhum representante de seu partido apoiou o impeachment anterior em 2019, e apenas um senador, Mitt Romney, votou para condená-lo. O presidente foi então absolvido da acusação de reter ajuda financeira para obrigar a Ucrânia a investigar uma suposta corrupção de seu adversário político Biden. Mas desta vez, o cenário é diferente.

- Bola com o Senado -

A nova acusação contra Trump marca a abertura formal do processo de julgamento político e caberá ao Senado julgar novamente o chefe de Estado. O processo gera questionamentos.

"Devido às regras, simplesmente não há possibilidade de que se conclua um julgamento justo ou sério antes de que o presidente eleito preste juramento, na próxima semana", declarou o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell. Ele indicou que não voltará a convocar os senadores, em recesso, antes do próximo dia 19.

O líder democrata no Senado, Chuck Schumer, assinalou que McConnell poderia iniciar o julgamento de forma imediata se optasse por convocar uma sessão de emergência. Caso contrário, o processo poderia começar após a posse de Biden. Schumer, que substituirá McConnell a partir de 20 de janeiro, afirmou que "haverá uma votação para condenar o presidente por crimes graves e faltas. Caso isso aconteça, haverá uma votação para proibir que ele volte a se candidatar".

- Trump pede união -

Em vídeo gravado no Salão Oval da Casa Branca, o presidente pede aos americanos que estejam unidos, sem citar o impeachment. "Que escolhamos avançar unidos, pelo bem de nossas famílias", diz, fazendo "um chamado a todos os americanos para superar as paixões do momento".

Repudiando os apoiadores que invadiram o Congresso, Trump ressalta que "nunca há justificativa para a violência. Aqueles que participaram dos ataques da semana passada serão levados à Justiça."

Mitch McConnell disse a aliados, segundo reportagens do "New York Times" e da CNN, que via o "impeachment" favoravelmente, considerando que o julgamento tem fundamento e ajudaria o Partido Republicano a virar a página de Trump para sempre. Em nota a seus colegas, McConnell afirmou nesta quarta que não tomou ainda uma decisão sobre o impeachment do presidente Donald Trump e não descarta votar a favor. "Pretendo ouvir os argumentos legais quando forem apresentados no Senado", disse.

Esse estrategista inteligente, aliado altamente influente e crucial de Trump por quatro anos, pode ser a chave para o resultado desse processo histórico, porque poderia encorajar senadores republicanos a condenar o 45º presidente americano. Os democratas assumirão o controle da câmara alta em 20 de janeiro, mas precisarão convencer muitos republicanos a fim de obterem a maioria de dois terços necessária para a condenação.

Trump continua sendo muito popular entre milhões de americanos, o que poderia levar alguns congressistas a não condená-lo.

CBS CORPORATION

THE NEW YORK TIMES COMPANY

Twitter

GOOGLE


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade