Publicidade

Estado de Minas BRUXELAS

UE oferece apoio político a acordo com China sobre investimentos


28/12/2020 12:49

Os países da União Europeia (UE) deram apoio político nesta segunda-feira (28) ao acordo sobre investimentos com a China e, com isso, abriram o caminho para um entendimento após vários anos de negociações.

De acordo com uma fonte diplomática europeia, em uma reunião dos representantes permanentes, nenhum dos participantes "levantou um sinal de rejeição e com isso se abriu o caminho para um apoio político".

Os diplomatas apontaram "desenvolvimentos positivos recentes" nas negociações e a China supostamente respondeu às preocupações sobre o suposto uso de trabalho forçado em suas fazendas.

Este gesto ocorreu em Bruxelas depois que o ministério das Relações Exteriores da China disse na semana passada que "as negociações entraram na reta final".

Outro diplomata da UE havia dito que um acordo poderia ser anunciado formalmente nesta semana.

"Precisamos ter cuidado, mas enquanto a China estiver de acordo, poderá haver um anúncio oficial de Bruxelas e Pequim no final desta semana", disse o diplomata à AFP.

Este acordo seria um grande impulso para ambas as partes e fortaleceria os laços econômicos entre os gigantes antes da chegada do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, à Casa Branca.

O atual líder dos Estados Unidos, Donald Trump, travou uma guerra comercial com a China, mas Biden já expressou sua preocupação com a posição da UE.

A Comissão Europeia, o poder executivo da UE, anunciou antes do Natal que o esboço do "acordo político" estava "95% pronto" e precisava apenas do sinal verde das capitais.

O compromisso da China com os direitos trabalhistas continua sendo um obstáculo, mas a Europa buscou por muito tempo um maior acesso ao enorme mercado chinês para suas empresas.

O chefe da câmara de comércio da UE em Pequim, Joerg Wuttke, disse à AFP neste mês que os negociadores "aparentemente fizeram grandes avanços no acesso ao mercado".

Como parte do acordo, a UE também pressionou a China para que reforce o respeito pela propriedade intelectual, acabe com as obrigações de transferir tecnologia, reduza os subsídios para as empresas públicas e melhore seus compromissos climáticos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade