Publicidade

Estado de Minas

Aberta investigação sobre jornalista sírio ferido em Paris


30/11/2020 22:01

Uma investigação foi aberta nesta segunda-feira (30) sobre as causas dos ferimentos sofridos pelo fotógrafo sírio Ameer al Halbi - um colaborador da AFP e da revista francesa Polka - durante uma manifestação em Paris no sábado, anunciou a promotoria.

Esta investigação, que será realizada pela Inspeção Geral da Polícia Nacional (IGPN), deverá esclarecer as condições em que este fotógrafo de 24 anos se feriu no rosto.

Ameer al Halbi cobriu a guerra na Síria para a AFP e vive na França há quase três anos. No sábado, ele cobriu como fotógrafo independente uma manifestação contra um projeto de lei de segurança e violência policial.

"Estamos chocados com os ferimentos sofridos por nosso colega Ameer al Halbi e condenamos essa violência não provocada", disse no domingo Phil Chetwynd, diretor de informática da AFP.

Chetwynd enfatizou que, no momento do incidente, Al Halbi "exercia o seu direito legal de documentar, como fotógrafo, os protestos nas ruas de Paris" e que se encontrava "com um grupo de colegas claramente identificados como jornalistas".

A polícia abriu um inquérito "administrativo interno", a pedido da AFP, para apurar as circunstâncias do ocorrido.

Na noite de sábado, a organização Repórteres Sem Fronteiras denunciou uma "violência policial inaceitável" em um tuíte.

Em nota, o sindicato SNJ-CGT da AFP exige "não apenas um pedido de desculpas das forças policiais, mas também do ministro (do Interior, Gerald) Darmanin, que até agora se contentou em atacar os autores de ataques a policiais, e que, em sinal de apaziguamento, o prefeito (da polícia de Paris Didier) Lallement deixe o cargo".

A Comissão da Carteira de Identidade dos Jornalistas Profissionais (CCIJP) manifestou em comunicado "a sua indignação com estes acontecimentos" e "denuncia estes atentados ao direito à informação, inaceitáveis na nossa democracia".

Al Halbi informou à AFP que pouco antes do incidente ele tirou "fotos de policiais que estavam batendo em alguém".

Minutos depois, "a polícia chegou e de repente acabei no chão, não percebi o que aconteceu. Acho que foi um golpe. As pessoas pisaram em mim e depois alguém me ajudou", disse o fotógrafo.

"Eu não tinha meu equipamento de proteção, que foi confiscado pela polícia durante uma manifestação dos 'coletes amarelos' porque eu não tinha uma credencial de imprensa", acrescentou.

Al Halbi, que ganhou o segundo prêmio na categoria World Press Photo "Spot News" em 2017, cobriu a guerra na cidade síria de Aleppo para a AFP.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade