Publicidade

Estado de Minas

Com Biden, mulheres e minorias são convocadas para impulsionar economia americana


30/11/2020 19:13

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, confirmou nesta segunda-feira (30) Janet Yellen, ex-presidente do Federal Reserve (Fed), para chefiar o Tesouro americano, anunciando uma equipe econômica com a qual busca romper as barreiras raciais e de gênero e superar a crise decorrente da pandemia.

Depois de fazer história ao escolher Kamala Harris, a primeira mulher e primeira pessoa de ascendência afro-americana e sul-asiática a ganhar a vice-presidência, Biden nomeou quatro mulheres de diferentes origens para cargos importantes em sua equipe econômica, assim como o primeiro subsecretário negro do Tesouro.

"Esta é a equipe que nos ajudará a reconstruir nossa economia melhor do que nunca", disse em comunicado Biden, cuja posse está prevista para 20 de janeiro.

Os Estados Unidos, país do mundo com mais mortes por covid-19, enfrenta um desemprego de 6,9%, o dobro do que era antes da pandemia. O crescimento registrado no terceiro trimestre segue abaixo de 2,9% em relação ao terceiro trimestre de 2019.

Se receber o aval do Senado, a nomeação de Yellen a tornaria, aos 74, a primeira mulher a chefiar o Tesouro americano- equivalente ao Ministério da Economia - depois de ser a primeira mulher a presidir o poderoso Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano) entre 2014 e 2018.

"Estamos enfrentando grandes desafios como país no momento", disse Yellen no Twitter após ter revelada sua nomeação.

Uma prioridade absoluta para ela será obter a aprovação no Congresso de um novo plano de ajuda para os mais atingidos pela pandemia, quando expirar o enorme pacote de estímulo econômico aprovado em março.

A tarefa, porém, não será fácil, pois ainda não se sabe se os democratas manterão o controle do Senado em janeiro, ao contrário do que aconteceu quando Barack Obama assumiu o cargo em 2009 em meio à crise financeira.

"Para que possamos nos recuperar, devemos restaurar o sonho americano, uma sociedade onde cada pessoa pode realizar seu potencial e sonhar ainda maior para seus filhos", tuitou Yellen. "Como secretária do Tesouro, trabalharei todos os dias para reconstruir esse sonho para todos".

Biden disse que Yellen seria secundada por Wally Adeyemo, um advogado nascido na Nigéria, ex-assessor de segurança nacional e atual presidente da Fundação Obama.

- "Com responsabilidade" -

Além de Yellen, três outras mulheres foram indicadas para altos cargos econômicos, informou a equipe de transição de Biden.

Neera Tanden, presidente do Center for American Progress, será nomeada para chefiar o Escritório de Administração e Orçamento da Casa Branca, se tornando a primeira sul-asiática e americana a ser escolhida para o cargo.

Embora Biden tenha elogiado a trajetória de Tanden, ex-assessora de Hillary Clinton durante a campanha de 2016, a indicação, que não tem o apoio unânime dos democratas mais progressistas, pode ser bloqueada no Senado, em um momento em que os republicanos já se manifestam contrários.

A afro-americana Cecilia Rouse, reitora da Escola de Assuntos Públicos e Internacionais da Universidade de Princeton, foi nomeada para presidir o Conselho de Consultores Econômicos do Presidente (CEA).

Heather Boushey, descrita como uma "economista eminente" especialista em desigualdade e atualmente presidente do Washington Center for Equitable Growth, também assumirá um cargo no CEA, juntamente com Jared Bernstein, um amigo de Biden que foi seu conselheiro quando o presidente eleito era vice-presidente de Obama.

Vários cargos importantes na formulação de políticas econômicas, como o Representante Comercial dos Estados Unidos (USTR) e o Secretário de Comércio, ainda não foram anunciados.

Essas nomeações são aguardadas com ansiedade no exterior, já que o governo Donald Trump travou uma guerra comercial com a China e abalou as relações comerciais com os principais aliados dos Estados Unidos.

Biden disse que sua equipe econômica representa a diversidade da América.

"É composta por funcionários públicos comprovados, respeitados e inovadores que ajudarão as comunidades mais afetadas pela covid-19 e abordarão as desigualdades estruturais em nossa economia", garantiu Biden.

Harris lembrou que o objetivo do governo Biden é abrir a economia "com responsabilidade".

Embora os democratas manterão a maioria na Câmara Baixa quando o novo Congresso for inaugurado em janeiro, o controle do Senado, responsável por aprovar os nomes indicados por Biden, será decidido por duas eleições na Geórgia no mesmo mês.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade