Publicidade

Estado de Minas

G20 pede cooperação para facilitar o acesso a vacinas contra a covid-19


21/11/2020 17:55

Os países do G20 pediram neste sábado (21), primeiro dia de sua cúpula anual, organizada este ano pela Arábia Saudita em formato virtual, um esforço global para facilitar o acesso às vacinas contra o coronavírus e lutar contra suas devastadoras consequências econômicas, incluindo a dívida, entre elas a dívida.

A reunião de dois dias dos países mais ricos do mundo (19 nações, às quais se soma a União Europeia) acontece em um momento em que o grupo recebe críticas por sua resposta à recessão mundial e quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, continua sem reconhecer sua derrota nas eleições presidenciais.

Desta vez, não houve uma grande cerimônia de abertura, nem a oportunidade de chegar a acordos bilaterais. A cúpula - primeiro G20 em um país árabe - ficou limitada a sessões curtas online.

"Embora estejamos otimistas com o progresso no desenvolvimento de vacinas, terapias e ferramentas de diagnóstico para a covid-19, devemos trabalhar para criar as condições para um acesso barato e igualitário a essas ferramentas para todos", disse o rei Salman em seu discurso de abertura, sob o olhar do príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, líder de fato do país.

Na abertura por videoconferência foram vistas imagens incomuns, como o presidente chinês Xi Jinping pedindo ajuda de um técnico ou a do presidente francês rindo e falando com alguém atrás da câmera.

O anfitrião da cúpula apareceu no centro da tela rodeado por imagens em miniatura de líderes mundiais, uma imagem que se tornou comum pelo mundo desde o aparecimento do vírus.

Alguns pareciam não dominar esse formato ainda, e o presidente francês Emmanuel Macron foi visto brincando com alguém fora de cena, e seu equivalente chinês Xi Jinping chamando um de seus assistentes.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez uma breve aparição em que falou principalmente sobre o balanço de seu governo, disseram dois participantes à AFP. Em seguida, ele foi para um campo de golfe perto de Washington.

- Um mundo em duas velocidades -

"Estaremos preparados para garantir o acesso [às vacinas] em escala global e evitar a todo custo o cenário de um mundo em duas velocidades?", questionou o presidente francês Emmanuel Macron em seu discurso.

Junto com a questão da distribuição da vacina, o G20 deverá responder aos apelos para expandir seu financiamento de combate ao vírus, que infectou mais de 55 milhões de pessoas e matou mais de 1,3 milhão em todo o mundo.

Antes mesmo do início da cúpula, o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, disse que "há um déficit de 28 bilhões [de dólares], dos quais 4,2 bilhões serão necessários antes do final do ano" para financiar o ACT-Accelerator, dispositivo da Organização Mundial da Saúde para garantir que os países ricos não monopolizem tratamentos, testes ou vacinas.

"O acesso à vacinação deve ser possível e acessível para todos os países", declarou a chanceler Angela Merkel, enquanto o presidente Jair Bolsonaro assegurou que "desde o início exaltamos que era preciso cuidar da saúde e da economia simultaneamente. O tempo vem provando que estávamos certos".

Os países do G20 já gastaram mais de 21 bilhões de dólares (17,7 bilhões de euros) para combater o coronavírus. Também mobilizaram cerca de 11 trilhões de dólares para salvar a economia mundial, segundo os organizadores.

- "Níveis alarmantes de desigualdade" -

Os membros do G20 também devem abordar a dívida dos países mais pobres, que enfrentam o colapso de seu financiamento externo.

Em abril, o G20 adotou uma moratória de seis meses para o pagamento da dívida, que vai até junho de 2021. Guterres pediu um "compromisso firme" para que esse período de carência seja estendido até o final de 2021.

Nesse sentido, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, denunciou neste sábado na cúpula os "níveis alarmantes de desigualdade" no mundo, pediu "cooperação e solidariedade" e lembrou que seu país fez um "enorme esforço fiscal".

Além de Bolsonaro e Fernández, também participa do G20 o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, representantes dos três únicos países latino-americanos do G20.

Os abusos dos direitos humanos na ultraconservadora Arábia Saudita ofuscaram a cúpula, com a qual Riade esperava melhorar sua imagem após as reformas de Mohamed bin Salman, destinadas, entre outras coisas, a reduzir sua dependência dos lucros do petróleo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade