Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Disputa entre Trump e Biden testa fôlego da ascensão populista no mundo

Na análise de consultor de risco político, Trump se aproximou de líderes autoritários, preferiu o isolacionismo ao multilateralismo, rompeu com aliados históricos e conduziu os EUA a um nível de tensão inédito com a China


01/11/2020 16:00 - atualizado 01/11/2020 16:50

Donald Trump e Joe Biden durante debate eleitoral nos Estados Unidos(foto: Jim Bourg/AFP)
Donald Trump e Joe Biden durante debate eleitoral nos Estados Unidos (foto: Jim Bourg/AFP)
"Donald Trump é um risco para a democracia?" O título do artigo de Steven Levitsky no jornal The New York Times, em dezembro de 2016, levantava a preocupação sobre o futuro dos EUA no mandato do presidente eleito. Quatro anos depois, a eleição é um teste não só para a resiliência das instituições americanas, mas para a ordem democrática global.

Em seu mandato, Trump se aproximou de líderes autoritários, como Kim Jong-un, preferiu o isolacionismo ao multilateralismo, rompeu com aliados históricos, conduziu os EUA a um nível de tensão inédito com a China e virou inspiração de adeptos do populismo nacionalista, como Jair Bolsonaro.

Ian Bremmer é fundador da consultoria de risco política Eurásia (foto: Bill Pugliano/Getty Images/AFP)
Ian Bremmer é fundador da consultoria de risco política Eurásia (foto: Bill Pugliano/Getty Images/AFP)
"Trump não liga se o país é autoritário ou se é democrático. É uma política muito transacional. Ele não quer uma Europa forte, não gosta da arquitetura multilateral. Um ‘G-zero’ escalaria mais rápido em um segundo mandato de Trump do que em um governo Biden", diz Ian Bremmer, fundador da consultoria de risco político Eurásia.

O conceito de G-zero pressupõe um vácuo de poder no cenário mundial por ausência de um país que paute a agenda internacional e vem sendo apontado por Bremmer há quase uma década. Após a 2.ª Guerra, os EUA tomaram dianteira na reorganização mundial, com a criação da Organização das Nações Unidos (ONU) e do sistema de Bretton Woods. Em um mundo "G-zero", os EUA passariam longe disso. Sob Trump, também.

"Trump enfraqueceu o que já vinha enfraquecendo e acelerou o fato de que há hoje poucos líderes no mundo que admiram o sistema político americano e desejam replicá-lo. Muito do ‘soft power’ dos EUA foi corroído", afirma Bremmer. A instituição americana Freedom House aponta o papel do "retorno da rivalidade entre grandes potências" e da "nítida falta de liderança na governança democrática de defensores tradicionais como os EUA" na deterioração da democracia mundial.

Thomas Wright, diretor do centro de EUA e Europa do centro de estudos Brookings, sustenta em artigo que, se Trump ganhar, os próximos quatro anos serão mais disruptivos para a ordem global do que os últimos quatro. "Ao confirmar que os EUA rejeitaram seu papel de liderança tradicional, um segundo mandato de Trump causaria impacto duradouro na direita mundial em um momento vulnerável. As alianças dos EUA provavelmente desmoronariam, a economia global fecharia e a democracia e os direitos humanos entrariam em declínio rápido."

Trump entrou em atrito com França e Alemanha e retirou o país de boa parte dos fóruns e tratados multilaterais dos quais os americanos foram protagonistas. Na lista estão o acordo nuclear com o Irã, o acordo climático de Paris, a paralisação do órgão de apelações da Organização Mundial do Comércio (OMC) e o anúncio durante a pandemia do coronavírus de que os EUA sairão da Organização Mundial da Saúde (OMS).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(foto: Frederic J. BROWN/AFP - 26/10/20)
(foto: Frederic J. BROWN/AFP - 26/10/20)

Acompanhe a apuração nos EUA

Infográfico interativo da AFP acompanha em tempo real a apuração. Votos nos centros eleitorais são contados automaticamente e, na maioria dos casos, os resultados são anunciados horas ou até minutos, após o fechamento das urnas. Mas os votos por correio, que cresceram muito acima a média este ano, implicam um processo trabalhoso, no qual cada estado tem regras próprias.



Como funcionam as eleições nos EUA?

Os 538 integrantes do chamado Colégio Eleitoral se reúnem nas respectivas capitais de seus estados a cada quatro anos após a eleição para designar o vencedor. Para vencer, um candidato à presidência deve obter a maioria absoluta dos votos do Colégio: 270. Saiba como funcionam os colégios eleitorais.

Sistema eleitoral complexo é desafio

Pandemia de COVID-19 aumentou votação pelo correio ou antecipado, o que representa um desafio técnico, humano e também legal em milhares de jurisdições. Saiba o que pode dar errado na apuração dos votos nos EUA.

Planos de governo de Trump e Biden

Confira as principais propostas de governo de Trump e Biden para os Estados Unidos e o mundo neste infográfico interativo. Separamos oito assuntos-chave para mostrar quais são os projetos dos republicanos e dos democratas.

O que muda para o Brasil?

Vitória do democrata ou do republicano terá implicações sobre o aprofundamento das relações comerciais bilaterais entre os países, sobre a política externa brasileira e o posicionamento político ideológico de Jair Bolsonaro no âmbito internacional, avaliam especialistas em política externa. Entenda o que muda para o Brasil.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade