Publicidade

Estado de Minas

Comércio de Melbourne reabre as portas após três meses de confinamento


28/10/2020 06:55

Os comerciantes de Melbourne, sul da Austrália, sentiram um grande alívio nesta quarta-feira, quando as lojas e restaurantes foram autorizados a reabrir as portas depois de mais de três meses de fechamento forçado pela segunda onda do coronavírus.

No momento em que boa parte a Europa e da América do Norte parecem seguir para um inverno de restrições, a segunda maior cidade da Austrália festeja a 'liberdade'.

Alguns bares reabriram à meia-noite, horário oficial do fim da medida que determinou o fechamento dos estabelecimentos comerciais "não essenciais".

Na manhã desta quarta-feira, Magda Combrinck, gerente de uma loja de departamentos, estava entusiasmada para abrir as portas, depois de mais de 100 dias de confinamento.

"Esperamos muito tempo por este dia", declarou à AFP ao receber os primeiros clientes. "É um grande dia para nós".

Mas a normalidade ainda está longe. Lesley Kind, uma comerciante de 71 anos, observou que muitas lojas do centro da cidade não retomaram as atividades. Algumas parecem fechadas para sempre.

"É maravilhoso estar de volta à cidade. Mas é uma cidade muito diferente", disse.

O país foi relativamente eficaz ao conter a primeira onda do novo coronavírus, mas em agosto Melbourne registrou um aumento de casos devido à negligência nos hotéis em que as pessoas que retornavam do exterior cumpriam a quarentena.

Em agosto, o estado de Victoria registrou um pico de 700 novos casos por dia.

Os cinco milhões de habitantes de Melbourne foram submetidos a restrições drásticas, como um toque de recolher noturno que foi suspenso no fim de setembro, após quase dois meses.

Os habitantes deveriam permanecer em casa e estavam autorizados a deslocamentos em um raio de cinco quilômetros, para atividades previamente determinadas.

Nas últimas duas semanas, o número de novos casos caiu a três por dia, o que permitiu o fim do confinamento e das restrições.

O governo australiano calcula que as medidas drásticas custaram 1.000 empregos por dia.

Greg Sanderson inaugurou seu bar, "Nick & Nora's", três dias antes da entrada em vigor das primeiras medidas de confinamento em março.

Ele decidiu reabrir o local à meia-noite com uma festa.

"Ficamos fechados 61% do ano, estávamos com pressa", disse à AFP, antes de citar uma "montanha russa de emoções".

A segunda onda epidêmica se concentrou em Melbourne. Fora desta cidade, a Austrália retomou há algum tempo a aparência de normalidade.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, felicitou os moradores de Melbourne.

"Incentivo a todos que aproveitem, à medida que acontece a reabertura, mas conscientes das outras restrições que ainda restam", disse.

Alguns estabelecimentos comerciais correm o risco de ter prejuízo, devido às restrições no número de clientes permitidos. Muitos pequenos empresários pediram às autoridades uma flexibilização maior das medidas.

Os salões de beleza também foram autorizados a reabrir nesta quarta-feira, mas as academias terão que esperar até 8 de novembro.

No mesmo dia, as restrições para viagens entre Melbourne e algumas áreas do estado de Victoria também serão suspensas e os moradores da cidade poderão viajar além do limite de 25 quilômetros.

As fronteiras do estado permanecem fechadas.

A covid-19 provocou 907 mortes na Austrália, um país de 25 milhões de pessoas que registrou 27.500 casos de coronavírus desde o início da pandemia.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade